quarta-feira, 26 de agosto de 2020

A entrega de Samuel


1 Samuel 7.1 a 13: Então, vieram os homens de Quiriate-Jearim e levaram a arca do SENHOR à casa de Abinadabe, no outeiro; e consagraram Eleazar, seu filho, para que guardasse a arca do SENHOR. Sucedeu que, desde aquele dia, a arca ficou em Quiriate-Jearim, e tantos dias se passaram, que chegaram a vinte anos; e toda a casa de Israel dirigia lamentações ao SENHOR.

Falou Samuel a toda a casa de Israel, dizendo: Se é de todo o vosso coração que voltais ao SENHOR, tirai dentre vós os deuses estranhos e os astarotes, e preparai o coração ao SENHOR, e servi a ele só, e ele vos livrará das mãos dos filisteus. Então, os filhos de Israel tiraram dentre si os baalins e os astarotes e serviram só ao SENHOR.

Disse mais Samuel: Congregai todo o Israel em Mispa, e orarei por vós ao SENHOR.
6 Congregaram-se em Mispa, tiraram água e a derramaram perante o SENHOR; jejuaram aquele dia e ali disseram: Pecamos contra o SENHOR. E Samuel julgou os filhos de Israel em Mispa. Quando, pois, os filisteus ouviram que os filhos de Israel estavam congregados em Mispa, subiram os príncipes dos filisteus contra Israel; o que ouvindo os filhos de Israel, tiveram medo dos filisteus.

Então, disseram os filhos de Israel a Samuel: Não cesses de clamar ao SENHOR, nosso Deus, por nós, para que nos livre da mão dos filisteus. Tomou, pois, Samuel um cordeiro que ainda mamava e o sacrificou em holocausto ao SENHOR; clamou Samuel ao SENHOR por Israel, e o SENHOR lhe respondeu. Enquanto Samuel oferecia o holocausto, os filisteus chegaram à peleja contra Israel; mas trovejou o SENHOR aquele dia com grande estampido sobre os filisteus e os aterrou de tal modo, que foram derrotados diante dos filhos de Israel.

Saindo de Mispa os homens de Israel, perseguiram os filisteus e os derrotaram até abaixo de Bete-Car. Tomou, então, Samuel uma pedra, e a pôs entre Mispa e Sem, e lhe chamou Ebenézer, e disse: Até aqui nos ajudou o SENHOR. Assim, os filisteus foram abatidos e nunca mais vieram ao território de Israel, porquanto foi a mão do SENHOR contra eles todos os dias de Samuel.”

Nos dias de Saul, os filisteus tomaram a Arca do Senhor, que ficou aproximadamente dez anos longe de Israel. As pessoas não se importavam, mas Deus queria que ela voltasse. Os judeus tinham medo da Arca, por causa das pragas que vieram através dela. Nesta passagem, nós vemos também que eles sabiam do poder da Arca, mas ainda idolatravam os baalins e os astarotes.

Os judeus viveram 20 anos de derrotas e sem a bênção do Senhor. Os filisteus sempre prevaleciam. Mas Samuel deu uma orientação: “Concerte-se com Deus!”.

Com base nesta passagem, eu quero destacar alguns pontos importantes:
  
1- Samuel disse: Tire todas as pendências (baalins e astarotes)

Os baalins e astarotes representam os nossos ídolos internos e as pendências que nós temos.

2- Samuel disse: Entregue uma oferta

Eles se reuniram e derramaram a água – algo muito preciosos para eles –. Samuel também entregou uma oferta. Esta oferta nunca havia sido entregue! Era um cordeiro que ainda mamava.

Naquele momento, o Senhor recebe aquela oferta e acontece um fato sobrenatural. Os filisteus, que estavam em Mispa, tinham em seus corações o desejo de destruir o povo Israel. Na exata hora em que os filisteus desceram contra o povo de Israel, Samuel consagra a oferta, ou seja, aquela oferta deu-lhes um grande livramento e a primeira vitória daquele povo, depois de 20 anos!

3- Deus está encerrando um ciclo de derrotas

Naquele dia, o Senhor interveio e nunca mais, nos dias de Samuel, o inimigo se levantou!

Em Deus, sempre haverá um escape e uma porta aberta! Neste ano, Deus vai te dar um escape glorioso.

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Um Deus perdoador!


Salmo 130 “Das profundezas clamo a ti, Senhor. Escuta, Senhor, a minha voz; estejam alertas os teus ouvidos às minhas súplicas.  Se observares, Senhor, iniquidades, quem, Senhor, subsistirá?  Contigo, porém, está o perdão, para que te temam.

Aguardo o Senhor, a minha alma o aguarda; eu espero na sua palavra.  A minha alma anseia pelo Senhor mais do que os guardas pelo romper da manhã.

Mais do que os guardas pelo romper da manhã,  espere Israel no Senhor, pois no Senhor há misericórdia; nele, copiosa redenção. É ele quem redime a Israel de todas as suas iniquidades.”

Quebrante o seu coração, peça perdão a Deus, com sinceridade, porque Ele é um Deus de amor, um Deus perdoador.

Eu estava meditando nessa palavra pela manhã, e há algo muito importante que eu quero compartilhar.

Pedir perdão não significa estar arrependido. Muitas pessoas perdem perdão, mas, no fundo, não se arrependeram do mal que fizeram. Estão apenas com remorso e não querem assumir as consequências dos seus erros.

O perdão existe, sim, mas quando há arrependimento! Quando há arrependimento, há fruto. Qual é o fruto do arrependimento? Esforçar-se, ao máximo, para não cometer os mesmos erros.

O Senhor quer limpar o nosso coração. Quando estamos limpos por Ele, alcançamos suas misericórdias.

O teu clamor será ouvido, e o Senhor vai trazer o que você mais precisa... Mais do que dinheiro, mais do que uma posição, mais do que reconhecimento humano, mais do qualquer relacionamento, você precisa da paz de Cristo!

Receba essa paz! Se o seu arrependimento é verdadeiro, sinta-se perdoado pelo Senhor! Que Ele te cubra de misericórdias, renove o teu interior, e que você seja bendito em todos os seus caminhos, entendendo que Deus não quer te condenar. Ele quer te perdoar e te colocar em um novo caminho!

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Basta apenas uma palavra!


Lucas 7.1 a 10 “Tendo Jesus concluído todas as suas palavras dirigidas ao povo, entrou em Cafarnaum. E o servo de um centurião, a quem este muito estimava, estava doente, quase à morte. Tendo ouvido falar a respeito de Jesus, enviou-lhe alguns anciãos dos judeus, pedindo-lhe que viesse curar o seu servo.

Estes, chegando-se a Jesus, com instância lhe suplicaram, dizendo: Ele é digno de que lhe faças isto;  porque é amigo do nosso povo, e ele mesmo nos edificou a sinagoga. Então, Jesus foi com eles. E, já perto da casa, o centurião enviou-lhe amigos para lhe dizer: Senhor, não te incomodes, porque não sou digno de que entres em minha casa.


 Por isso, eu mesmo não me julguei digno de ir ter contigo; porém manda com uma palavra, e o meu rapaz será curado. Porque também eu sou homem sujeito à autoridade, e tenho soldados às minhas ordens, e digo a este: vai, e ele vai; e a outro: vem, e ele vem; e ao meu servo: faze isto, e ele o faz. Ouvidas estas palavras, admirou-se Jesus dele e, voltando-se para o povo que o acompanhava, disse: Afirmo-vos que nem mesmo em Israel achei fé como esta.  E, voltando para casa os que foram enviados, encontraram curado o servo.”


Com base nesta passagem, eu gostaria de destacar três palavras:

Primeira palavra: “Necessidade”

Aquele homem tinha poder, tinha riquezas, tinha uma posição, tinha influência, mas não tinha solução para a sua necessidade.

Ao se deparar com aquela situação de impotência, ele buscou solução em Jesus Cristo.

Hoje, eu quero te falar que não importa qual seja a sua dificuldade, a solução da sua vida está em Jesus!

Segunda palavra: “Dignidade”

Nós vemos duas posições. Por um lado, os judeus diziam que o centurião era digno, mas, por outro lado, ele não se sentia assim; era humilde!

Aquele homem era digno, porque tinha ofertado a construção de uma sinagoga. Ele cooperou para que a obra de Deus fosse realizada. A semente no dia mau nos habilita a viver bênçãos no futuro.

A dignidade para viver o milagre não vem da posição social, do dinheiro, da influência, do poder humano, mas vem de uma relação limpa, santa e sincera com Deus.

O centurião tinha uma relação que estabeleceu um benefício para o povo de Deus.

Terceira palavra: "Cura"

Aquele cura poderia ter sido emanada por Jesus Cristo, aquele que carregou sobre si nossas enfermidades. Pelas suas pisaduras, nós somos sarados.

O milagre de cura que o Senhor tem para nós não é só físico, mas é uma cura interior, uma libertação de um passado de dores e traumas.

Antes de o Senhor chegar à casa do centurião, aquele servo foi totalmente curado. A palavra de libertação já havia sido enviada!

A palavra de cura e de libertação traz o grande milagre. Assim como aquele servo do centurião foi curado, Deus está te mandando a cura.

Debaixo desta palavra, abra o seu coração. A notícia que eu tenho hoje é que Jesus está a caminho, e, se ele achar fé no seu coração, o milagre se manifestará.

Basta apenas uma palavra para o Senhor realizar uma grande revolução em nossas vidas!

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

De um jovem aprendiz para um grande conquistador!


Josué 1.1 a 9: “Depois da morte de Moisés, servo do Senhor, falou o Senhor a Josué, filho de Num, servidor de Moisés, dizendo: Moisés, meu servo, é morto; levanta-te pois agora, passa este Jordão, tu e todo este povo, para a terra que eu dou aos filhos de Israel. Todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo dei, como eu disse a Moisés. Desde o deserto e este Líbano, até o grande rio, o rio Eufrates, toda a terra dos heteus, e até o grande mar para o poente do sol, será o vosso termo.

Ninguém te poderá resistir todos os dias da tua vida. Como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei, nem te desampararei. Esforça-te, e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria. Tão-somente esforça-te e tem mui bom ânimo, cuidando de fazer conforme toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; não te desvies dela, nem para a direita nem para a esquerda, a fim de que sejas bem sucedido por onde quer que andares.

Não se aparte da tua boca o livro desta lei, antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido. Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não te atemorizes, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus está contigo, por onde quer que andares.”

Esta é a palavra do Senhor direcionada a um jovem chamado Josué. Ele estava em um momento de transição, insegurança e de incertezas. Ele tinha que enfrentar situações difíceis sem seu apoio, que era Moisés.

Assim é a caminhada de um servo de Deus: cheia de desafios!

De repente, Josué se viu como um líder, mas, no seu interior, já havia uma constituição.

Talvez, ao olhar esta provação, você pense: “Eu não estou preparado!”. Isso ocorre quando você coloca suas deformações no lugar da bênção. Enxergue, com os olhos da fé, e caminhe de acordo com o direcionamento do Senhor.

Neste texto, nós vemos que Deus encorajou Josué, quando disse:

Em primeiro lugar: “Sê forte e corajoso!”

Ser forte é ter estrutura espiritual, é ter força interior, é não se entregar às investidas do inimigo, é ser inabalável!

2 Coríntios 12.10: “Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.”

Deus não te fez fraco! Por isso, assuma este desafio! Aquele te enviou também te conduzirá em triunfo.

Em segundo lugar: “Ninguém poderá te resistir todos os dias da sua vida! Assim como fui com Moisés, serei contigo”

Hebreus 13.8: “Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre.”

1 Coríntios 10.1 a 4: “Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos passaram pelo mar, tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés. Todos eles comeram de um só manjar espiritual e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo.”

Em terceiro lugar: “Eu estou te enviando...”

-Para ser vencedor

Romanos 8.37: “Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou.”

-Para ser um conquistador

-Para ter sucesso

Josué tinha começado o dia triste, mas, depois daquela palavra, ele se reanimou no Senhor. Seu comportamento já não era mais o mesmo.

Quando ele se apresentou, o povo não viu um Josué inseguro, mas um homem cheio de ousadia e disposição.

Esta dívida, esta decepção, esta incompreensão em relação às lutas que você tem vivido não são mais fortes do que o envio.

Encha-se do espírito, mude de comportamento, porque Deus tem para você uma jornada de vitórias, como também teve para Josué!

terça-feira, 18 de agosto de 2020

Uma fé que rompe limites



Mateus 9.1 a 8: “Entrando Jesus num barco, passou para o outro lado e foi para a sua própria cidade. E eis que lhe trouxeram um paralítico deitado num leito.

Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico: Tem bom ânimo, filho; estão perdoados os teus pecados. Mas alguns escribas diziam consigo: Este blasfema.

Jesus, porém, conhecendo-lhes os pensamentos, disse: Por que cogitais o mal no vosso coração? Pois qual é mais fácil? Dizer: Estão perdoados os teus pecados, ou dizer: Levanta-te e anda? Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados – disse, então, ao paralítico: Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa.

E, levantando-se, partiu para sua casa. Vendo isto, as multidões, possuídas de temor, glorificaram a Deus, que dera tal autoridade aos homens.”.

Ao chegar a Cafarnaum, Jesus de depara com uma multidão. Ali, havia enfermos e pessoas que queriam algum contato com o Mestre. Todos tinham alguma necessidade.

Entre eles, havia um paralítico que, a princípio, não encontrou nenhuma alternativa para chegar ao único que poderia curá-lo.

Para alcançar aquele tão sonhado milagre, ele precisava:

Em primeiro lugar, de superação

O que é superação? É romper limites, ultrapassar obstáculos... É deixar o discurso e começar a agir. É uma “super ação”, é uma “mega ação”!

Qual caminho aquele paralítico encontrou? Não dava para passar pela multidão. Qual alternativa ele tinha? Entrar pelo telhado! Ele, então, chama quatro grandes amigos e explicou seu plano.

O primeiro amigo representa aqueles que estimulam nossa fé;

O segundo amigo representa a determinação;

O terceiro amigo representa a disposição;

O quarto amigo representa a superação.

Aquele homem venceu as impossibilidades, e o plano foi colocado em prática.

Chegou a hora de você romper limites. Chegou a hora de você vencer o desânimo, a murmuração e a depressão.

Não olhe para o momento que você está vivendo. Olhe para as possibilidades. Olhe para o que pode ser feito. Faça das lutas grandes oportunidades! Não busque culpados, busque solução!

Em segundo lugar, do fator surpresa!

Em vários trechos da Bíblia, nós vemos Jesus surpreendido com a fé de algumas pessoas. Ele se surpreendeu com a fé do centurião de Cafarnaum (Lucas 7.1 a 10) e com a fé da mulher siro-fenícia (Mateus 15. 21 a 29), por exemplo.

Tenha atitudes surpreendentes! Saia do lugar comum. Você tem condições pessoais, emocionais e espirituais de ir além.  

Aquele homem superou todas as expectativas. Imagine a cena! Ele desceu do telhado, amparado por cordas, para alcançar seu milagre! Aquele paralítico surpreendeu a todos.

Surpreenda o Senhor com suas ofertas, com o seu quebrantamento, com o desejo do seu coração. Sabe qual será a consequência? Um milagre completo. Além de curar aquele paralítico, Jesus perdoou todos os seus pecados.

O Senhor quer te curar e te libertar. Pegue seu leito e ande! Deixe para trás esta cama de mentiras, de paralisia, de dor, do conformismo, e caminhe em direção ao novo tempo que o Senhor tem para a sua vida.

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Um amor que salva, liberta, cura e ensina!


Não existe evangelho sem entrega, sem dedicação, sem amor e sem um propósito de Deus, que se cumprirá em nossas vidas. Por isso que o Senhor disse em João 6.33: “No mundo, tereis aflições, mas tende bom ânimo. Eu venci o mundo!”. Em Romanos 8, o próprio Paulo fala: “Se com Ele sofremos, com Ele, também reinaremos!”.

A parte do sofrimento de Cristo, sem dúvida nenhuma, foi agoniante, foi desesperadora... Foi uma atitude de amor, um amor sem limites, um amor incondicional... Ele estava cumprindo um propósito. O propósito começa quando você se entrega, amor, à vontade de Deus: “Seja feita a Tua vontade, Senhor!”.

Essa é a chave do sacerdócio, essa é a chave da eleição e da separação, porque a entrega incondicional, a entrega sem limites significa que não vivo eu, mas Cristo vive em mim, e a vida que eu vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, que morreu e se entregou por mim (Gálatas 2.20).

O que nós temos é o poder e a autoridade daquilo que representa a ressurreição. Então, ela torna possível todas as coisas. Ela torna consequente tudo o que nós vivemos, porque foi exatamente o que Paula disse: “Não sobreveio sobre vós uma provação que não possamos suportar, mas, com a provação, o Senhor nos dá o escape.”. Qual é o escape? O escape é aquilo que Jó declarou: “O meu redentor vive!”.

A certeza maior de que, se nós temos o espírito de vida que ressuscitou Jesus Cristo entre os mortos, é que Ele habita em nós. Então, nós podemos, literalmente, superar todas as coisas, porque a nossa caminhada é uma caminha de superação.

O evangelho significa você ser, muitas vezes, incompreendido pelos homens, pela própria família, pelos seus amigos, porque Jesus disse: “Quem não for digno de deixar pai, mãe, filhos e filhas, por amor a mim, não é digno de mim.”.

Esse evangelho é, verdadeiramente, uma ruptura com todas as coisas, para que nós, na nossa individualidade, possamos viver a plenitude de uma vida abundante, a despeito do que nós tenhamos, a despeito daquilo que o homem mais espera de Deus. Porque o homem, tão somente, espera benefícios do Senhor. Só que Deus não tem só benefícios para nos dar, Deus tem coisas superiores (Hebreus 12).

Nós estamos firmados em cima de promessas superiores. Por isso que, na crucificação, muitas pessoas abandonaram Jesus. Por isso que Jesus disse que muitos são chamados, mas poucos são escolhidos. Os escolhidos passam pelo vale, passam pelo dia mau, passam pela provação, mas têm um poder sobrenatural que os faz suportar todas as coisas. Essa é realmente a arma que o Senhor colocou em nós, porque o nosso espírito se renova. Foi o que Isaías falou no capítulo 40: “Os que esperam no Senhor renovam suas forças!”.

Nós temos a certeza gloriosa de que, se com Cristo nós sofremos, com Ele, também reinaremos. Reinar não significa oprimir o próximo, não significa eu ter apenas uma posição de superioridade que me faça um super-homem, mas significa eu enfrentar todas as minhas adversidades e não ser dominado por elas. Reinar significa eu ter uma perspectiva imutável, que é a nossa vida eterna.

Vocês estão aqui, na terra, porque vocês são aqueles que levam a Palavra das Boas Novas! Boas Novas é levar salvação, anunciar que o Senhor Jesus Cristo é vivo, é anunciar que, ao conhecê-Lo, nós somos livres. Na Bíblia, está escrito: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará!”. Isso é algo muito maior do que nós imaginamos. Não é apenas a libertação do álcool, das drogas... mas é a libertação da escravidão espiritual, que vem pela gloriosa consciência de Cristo em nós.

Aquilo que a Igreja recebeu depois da ressurreição de Cristo foi muito maior do que Ela recebeu quando Jesus estava como homem na terra, porque, como homem na terra, Jesus cumpriu um ministério de 33 anos. Jesus, ressurreto, deu à Igreja todos os preceitos eternos de Deus. Por isso que, em Efésios 1.3, está escrito que, n’Ele, nós temos toda a sorte de bênção espirituais.

Enquanto Jesus estava sepultado há três dias, Ele foi ao inferno, recuperou toda a sorte de bênçãos e deu a quem? À Igreja, que somos nós! Esse poder de viver uma vida abundante é o que está reservado a cada um de nós.

Que a cada dia nós possamos ser renovados na esperança de que nós seremos ressuscitados com Ele. Que a cada dia o Senhor te levante com este poder de superação.

As suas limitações e deformações são humanas, mas o poder realizador de Cristo é o poder de João 14.12, que diz que, se você crer n’Ele, você realizará obras maiores ainda. A maior obra que Jesus realizou foi a salvação. A maior obra que Jesus realizou foi a ressurreição, porque Paulo fala que o último inimigo que foi vencido foi a morte!


Nós vencemos a morte todos os dias. Vivemos em uma sociedade de mortos, que se alimentam daquilo que dá a eles apenas prazeres carnais e momentâneos, como o dinheiro, a prostituição... mas vence a morte quem, todos os dias, respirar Jesus Cristo. Nós temos que respirá-Lo de tal maneira que possamos transpirá-Lo.

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

É tempo de reconstrução!


Neemias 2.17: “Então lhes disse: Bem vedes vós a miséria em que estamos, que Jerusalém está assolada, e que as suas portas têm sido queimadas a fogo; vinde, pois, e reedifiquemos o muro de Jerusalém, e não sejamos mais um opróbrio.”

Em Jerusalém, todos estavam completamente desmotivados e sem nenhuma perspectiva.

Quantas vezes, nós olhamos a situação geral, e o que os nossos olhos contemplam é somente a impossibilidade de que dias melhores virão?

Por isso que, quando Jesus chora sobre a cidade de Jerusalém (Lucas 19.41 a 44), Ele fala sobre a Jerusalém assolada, fala sobre a Jerusalém que mata os seus profetas, que despreza a lei do Senhor e fala sobre a Jerusalém contaminada pelo espírito de desânimo.

O desânimo – a disposição mental contrária à natureza que Deus colocou no homem (Romanos 1) – pode ser para o lado do pecado, da prostituição, ou pode ser para o lado da entrega, quando decidimos entregar os pontos, quando não temos mais forças e nada que nos impulsione.

Neemias encontra a situação de um povo completamente assolado e, no seu espírito, ele tinha o envio, o envio para transformar aquele estado de assolação em uma obra inexplicável aos olhos humanos, mas possível para Deus. Ele, então, se propõe a fazer aquilo que talvez as pessoas jamais poderiam pensar ou imaginar. Ele se propõe a reedificar os muros assolados de Jerusalém. Ele, então, em 52 dias, faz esta obra gloriosa e maravilhosa.

O que eu tenho buscado de Deus, a cada dia, é exatamente o entendimento espiritual daquilo que significava o antes daquele local. O antes era uma cidade sem proteção.

O Senhor deu a Neemias um foco: “Coloque defesas, para que a minha glória seja mostrada, para o retorno do shekinah.”. Nós precisamos de defesas para que possamos manter o que Deus tem nos dado. É por esse motivo que as gerações se perdem. É por esse motivo que nós vemos que não há uma sucessão.

Nós temos que ter defesas que nos deem uma posição privilegiada contra o inimigo e defesas que signifiquem uma proteção para tudo aquilo que Deus nos entregou.

Neemias entende isso e, estrategicamente, reconstrói os muros. Eu tenho certeza de que o trabalho de Cristo é o trabalho de Neemias: o trabalho de reconstruir as nossas defesas, de nos colocar em uma posição de autoridade, uma posição estratégica contra o inimigo, uma posição estratégica que nos permite estar verdadeiramente constituídos em cima de fortaleza. Por isso que nós estamos assentados com Cristo, acima de potestades, principados e dominadores.

Por isso que Davi fala sobre a cidade murada, sobre a proteção daquilo que são os nossos muros. Quando estamos dentro de uma cidade murada, temos exatamente o diferencial que é esta posição estratégica de autoridade. Que o Senhor possa te dar esta condição.

Eu poderia citar para vocês vários exemplos de muros, mas vou destacar alguns:

Muros da vida espiritual:

Quem não tem uma vida espiritual protegida, uma vida espiritual edificada, é uma pessoa enfraquecida e, consequentemente, não consegue chegar à plenitude de sua constituição.

Muros das relações pessoais:

Quando eu sou uma pessoa desprotegida, as minhas relações pessoais são problemáticas, são completamente desgovernadas, não têm uma direção do Espírito Santo de Deus. Eu, então, não consigo manter esta liga verdadeira, que é a liga da comunhão. Eu fico sem poder discernir, entender e, consequentemente, faço voos cegos.

Muros para a preservação do futuro:

Quando eu não tenho proteção para a minha caminhada, para aquilo que é o meu futuro, o que acontece? Eu sou consumido no presente. O muro significa: proteção para o futuro. O muro significa: eu ter realmente aquilo que eu posso construir, edificar e deixar um legado.

Que essa palavra possa te motivar e te preparar para um novo tempo! 

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Os inimigos da cruz!


Filipenses 3.17 a 21: “Irmãos, sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós. Pois muitos andam entre nós, dos quais, repetidas vezes, eu vos dizia e, agora, vos digo, até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo.

O destino deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles está na sua infâmia, visto que só se preocupam com as coisas terrenas. Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo de sua glória, segundo a eficácia do poder que Ele tem de até subordinar a si todas as coisas.”

Este foi um direcionamento que o Apóstolo Paulo deixou à igreja de Filipos e aos filipenses. Na carta, em primeiro lugar, ele diz: “Ande segundo o nosso modelo, o modelo apostólico!”. Sabe qual é o modelo apostólico? É ter integridade, santidade, uma relação profunda com Deus e um coração impregnado do amor de Cristo.

Há muitos, no meio de nós, que se levantam contra o mover apostólico. Sabe como Paulo os nomeou? De inimigos da cruz, porque eles invalidam o sacrifício de Jesus, não aceitam a salvação e estão limitados às questões terrenas!

Tome cuidado! Porque os inimigos da cruz desprezam os valores espirituais, não se relacionam com o Espírito Santo e só buscam valores materiais. A mente destas pessoas está cauterizada. Os inimigos da cruz são os opositores da salvação!

Mais importante do que viver um milagre, ou receber uma bênção, é ter um relacionamento profundo com Deus!

Hoje, eu quero te perguntar: Qual é o padrão que você está seguindo? O que você tem imitado?

Você está imitando o viver de Cristo? Você pode afirmar “Não vivo eu, mas Cristo vive em mim”? Ou você está conectado aos valores deste mundo?

As coisas terrenas são efêmeras e passageiras. Hoje, você tem! Amanhã, não! Hoje, você pode estar vivendo em um belo palácio e, amanhã, não ter onde morar.

Aqueles que são inimigos da cruz têm como deus o seu próprio ventre; o seu bem estar está acima de tudo e de todos!

Fuja de quem é assim! Lembre-se de que sua pátria é celestial! Tenha a visão da eternidade. Tenha consciência de que você é nova criatura, e que nós passaremos por essa terra e enfrentaremos a morte!

Se nós vivermos de forma inconsequente, achando que somos imortais e que a eternidade não é importante, consequentemente, estamos afirmando que a nossa pátria é aqui.

Segundo ponto importante: Ao fazer esta alusão, Paulo quer dizer que é como se nós tivéssemos ligados ao mundo para sempre, pois temos nossa cidadania carnal, mas ignoramos nossa cidadania espiritual!

A tua pátria é espiritual, valorize sua salvação, valorize a eternidade! Satanás quer destruir nossas vidas e nos afastar do Deus vivo! Lembre-se: É na nossa caminhada terrena que definimos onde vamos passar a eternidade.

Hebreus 3.12: “Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo.”

Não há nada melhor do que ter uma perspectiva de futuro com Cristo! Isso fortalece nossa fé!

Tenha consciência de que tudo será subordinado a Jesus! A sujeição das coisas espirituais foram entregues a Ele, por meio de sua vitória na cruz do Calvário, e também através de sua vitória contra Satanás – que precisava ser vencido por um homem, porque ele veio para derrubar o homem.

Jesus tem o poder de subordinar a si todas as coisas! A enfermidade que você está passando, o problema financeiro que você está enfrentando, as tuas desilusões, as tuas inseguranças, o teu medo, a falta de paz, as ameaças e as condenações que o inimigo tem imposto em sua vida estão sujeitas a Ele.

Em Cristo, somos mais que vencedores! Não tenha mais medo! Ande de acordo com essa perspectiva! Deixe que o poder da Palavra de Deus e a tua relação verdadeira com Ele, segundo o modelo apostólico, possam determinar sua caminhada. A caminhada daquele que não está associado com as coisas terrenas, daquele que tem a pátria nos céus e daquele que tem a certeza de que todas as coisas estão subordinadas a Cristo, para que a eficácia do Seu poder possa se manifestar com sinais, prodígios e maravilhas!

Todos os sentimentos e situações que estavam te derrubando estão subordinados à autoridade de Deus. Confie n'Ele! Não se oponha à obra que Ele tem para realizar! 

Confie, porque você terá uma vida abundante, aqui na terra, e a certeza da eternidade, com o nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo! 

terça-feira, 4 de agosto de 2020

A interferência de Deus em nossas vidas!


Neemias 6.15 e 16: “Acabou-se, pois, o muro aos vinte e cinco dias do mês de elul, em cinquenta e dois dias. Sucedeu que, ouvindo-o todos os nossos inimigos, temeram todos os gentios nossos circunvizinhos e decaíram muito no seu próprio conceito; porque reconheceram que por intervenção de nosso Deus é que fizemos esta obra.”

Todas as dificuldades e obstáculos humanos foram os fatores para levaram Neemias a se determinar e agir pela fé!

Uma obra como aquela somente poderia ser realizada em 52 dias, se houvesse uma intervenção do Senhor.  

Na Bíblia, existem diversos exemplos de como a interferência de Deus foi fundamental e decisiva para que Seu povo fosse abençoado.

Como Ele não muda, essa interferência também pode se manifestar em nossas vidas. De que maneira? 

1- Interferindo em nossas guerras, como ocorreu com Davi no vele do Refains.

1 Crônicas 14.8 e 15: “Ouvindo, pois, os filisteus que Davi fora ungido rei sobre todo o Israel, subiram todos para prender Davi; ouvindo-o Davi, saiu contra eles. Mas vieram os filisteus e investiram contra ele no vale dos Refains. Então, Davi consultou a Deus, dizendo: Subirei contra os filisteus? Entregar-mos-ás nas mãos? Respondeu-lhe o SENHOR: Sobe, porque os entregarei nas tuas mãos.

Subindo Davi a Baal-Perazim, ali os derrotou; e disse: Deus, por meu intermédio, rompeu as fileiras inimigas diante de mim, como quem rompe águas. Por isso, chamaram o nome daquele lugar Baal-Perazim. Ali, deixaram os seus deuses; e ordenou Davi que se queimassem. Porém os filisteus tornaram e fizeram uma investida no vale.

De novo, Davi consultou a Deus, e este lhe respondeu: Não subirás após eles; mas rodeia por detrás deles e ataca-os por defronte das amoreiras; e há de ser que, ouvindo tu um estrondo de marcha pelas copas das amoreiras, então, sai à peleja; porque Deus saiu adiante de ti a ferir o exército dos filisteus. Fez Davi como Deus lhe ordenara; e feriu o exército dos filisteus desde Gibeão até Gezer.”

2- Interferindo com provisão e suprimento, como ocorreu com Elias, em um período extrema crise.

1 Reis 17. 1 a 7: “Então, Elias, o tesbita, dos moradores de Gileade, disse a Acabe: Tão certo como vive o SENHOR, Deus de Israel, perante cuja face estou, nem orvalho nem chuva haverá nestes anos, segundo a minha palavra. Veio-lhe a palavra do SENHOR, dizendo: Retira-te daqui, vai para o lado oriental e esconde-te junto à torrente de Querite, fronteira ao Jordão.

Beberás da torrente; e ordenei aos corvos que ali mesmo te sustentem. Foi, pois, e fez segundo a palavra do SENHOR; retirou-se e habitou junto à torrente de Querite, fronteira ao Jordão. Os corvos lhe traziam pela manhã pão e carne, como também pão e carne ao anoitecer; e bebia da torrente.

Mas, passados dias, a torrente secou, porque não chovia sobre a terra. Então, lhe veio a palavra do SENHOR, dizendo: Dispõe-te, e vai a Sarepta, que pertence a Sidom, e demora-te ali, onde ordenei a uma mulher viúva que te dê comida.”

3- Interferindo com a cura de relacionamentos familiares, como foi o caso dos irmãos Jacó e Esaú.

Gênesis 33.1 a 5: Levantando Jacó os olhos, viu que Esaú se aproximava, e com ele quatrocentos homens. Então, passou os filhos a Lia, a Raquel e às duas servas. Pôs as servas e seus filhos à frente, Lia e seus filhos atrás deles e Raquel e José por últimos.


E ele mesmo, adiantando-se, prostrou-se à terra sete vezes, até aproximar-se de seu irmão. Então, Esaú correu-lhe ao encontro e o abraçou; arrojou-se-lhe ao pescoço e o beijou; e choraram. Daí, levantando os olhos, viu as mulheres e os meninos e disse: Quem são estes contigo? Respondeu-lhe Jacó: Os filhos com que Deus agraciou a teu servo.”