sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Em qual plano você está?



Gálatas 5.16 a 24: “Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne. Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais sob a lei.
 
 Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam. 

Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências.”

Para não satisfazermos os desejos carnais, precisamos andar no espírito. Existem três tipos de posições que podemos ocupar no mundo espiritual. 

O primeiro plano é o carnal: Quando a pessoa exerce as obras da carne, como prostituição, mentira, lascívia, inveja, guerras, facções... São pessoas que se entregam às sujeiras deste mundo e, consequentemente, à morte. 

O segundo plano é o da religiosidade: São aqueles que vivem de aparência. São aqueles cujo deus é o próprio ventre. 

Apocalipse 2.4 a 6: “Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas. Tens, contudo, a teu favor que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio.”

Judas 1.12 e 13: “Estes homens são como rochas submersas, em vossas festas de fraternidade, banqueteando-se juntos sem qualquer recato, pastores que a si mesmos se apascentam; nuvens sem água impelidas pelos ventos; árvores em plena estação dos frutos, destes desprovidas, duplamente mortas, desarraigadas; ondas bravias do mar, que espumam as suas próprias sujidades; estrelas errantes, para as quais tem sido guardada a negridão das trevas, para sempre.”

Uma das características de religiosidade é a crueldade. É exatamente o que Jesus Cristo nos mostra na Parábola do Bom Samaritano. São pessoas que ignoram a dor e o sofrimento alheio. São aqueles que têm posicionamentos contrários à Palavra de Deus. 

Quem está neste plano deixa de ter a alegria na salvação. Quem está neste plano tem uma vida dupla e se coloca debaixo de um jugo, que a impede de receber o amor do Senhor. 

O terceiro plano é o apostólico: É o plano da revelação, dos sinais, prodígios e maravilhas. É onde nós carregamos em nosso corpo as marcas do evangelho. 

2 Coríntios 12.12: “Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas.”

É onde somos guiados pelo Espírito Santo e encontramos descanso nos braços do Pai.

Saia dos planos carnal e religioso e venha para o plano apostólico. Deus tem uma grande obra para realizar na sua vida! Desta forma, você caminhará no espírito. 

Gálatas 5.22 e 23: Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei.”

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Quando tudo parece estar perdido!


Ezequiel 37.1 a 10: “Veio sobre mim a mão do SENHOR; ele me levou pelo Espírito do SENHOR e me deixou no meio de um vale que estava cheio de ossos, e me fez andar ao redor deles; eram mui numerosos na superfície do vale e estavam sequíssimos. Então, me perguntou: Filho do homem, acaso, poderão reviver estes ossos? Respondi: SENHOR Deus, tu o sabes.

Disse-me ele: Profetiza a estes ossos e dize-lhes: Ossos secos, ouvi a palavra do SENHOR. Assim diz o SENHOR Deus a estes ossos: Eis que farei entrar o espírito em vós, e vivereis. Porei tendões sobre vós, farei crescer carne sobre vós, sobre vós estenderei pele e porei em vós o espírito, e vivereis. E sabereis que eu sou o SENHOR. Então, profetizei segundo me fora ordenado; enquanto eu profetizava, houve um ruído, um barulho de ossos que batiam contra ossos e se ajuntavam, cada osso ao seu osso.

Olhei, e eis que havia tendões sobre eles, e cresceram as carnes, e se estendeu a pele sobre eles; mas não havia neles o espírito. Então, ele me disse: Profetiza ao espírito, profetiza, ó filho do homem, e dize-lhe: Assim diz o SENHOR Deus: Vem dos quatro ventos, ó espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. Profetizei como ele me ordenara, e o espírito entrou neles, e viveram e se puseram em pé, um exército sobremodo numeroso.”

Deus deu uma tremenda visão profética a Ezequiel. A visão representava o estado espiritual do povo de Israel, que estava destruído pelo pecado e pelas malignidades. Eles realmente precisavam receber uma porção espiritual para conhecerem o poder da ressurreição.

Com base nesta passagem:

Em primeiro lugar, precisamos entender que é necessário renascer todos os dias.

Em Romanos 8.11, está escrito: “Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita.”.

O que Paulo quis dizer? Que, todos os dias, precisamos nos encher do Espírito Santo de Deus. Precisamos nos encher deste poder. Este poder que nos levanta, que nos dá perspectivas de um futuro glorioso, que tira todas as confusões das nossas mentes e que nos impede de chegar ao estado que estava aquele vale que Ezequiel enxergou.

Aqueles ossos estavam sequíssimos e destruídos. Com certeza, virariam pó. Mas havia uma saída, uma solução: o poder da ressurreição. E ele precisa estar presente em nós!

Em segundo lugar, precisamos ter fé!

O profeta estava diante de um vale de ossos secos. Talvez, essa seja a visão que você tenha de muitas áreas da sua vida! Pode ser que, para você, não tenha mais jeito!

Mas o Senhor ouve o teu choro, o teu clamor, olha para você e pergunta: "Você crê que todos estes ossos podem renascer? Você crê na transformação deste cenário?".

Qual será a sua resposta? Pense muito bem, pois ela vai determinar o final desta história!

Eu sei que a resposta de Ezequiel foi: “Senhor, Tu sabes, Tu podes, e eu creio! Eu creio que Tu podes realizar o impossível!”.

Depois de ouvir aquela resposta carregada de fé, o Senhor diz a ele: “Já que você crê, profetize!”.

Você está chorando, mas continua crendo no poder transformador do Senhor? Então, profetize! Está difícil? Profetize! Clame ao Senhor, porque haverá uma revolução!

Depois do posicionamento de Ezequiel, os ossos começaram a se juntar, tendões se juntaram com tendões... a pele começou a se regenerar... os músculos... os corpos recuperam suas formas... A transformação foi completa!

Daquele vale de ossos secos, surgiu um grande exército! E o Senhor mostrou que a glória da segunda casa é maior do que a da primeira, porque Ele continua dizendo ao profeta: “Este é o povo de Israel, e vocês saberão que eu sou Deus, quando Eu abrir as vossas sepulturas!”.

Há uma mensagem profética grandiosa neste milagre: Deus vai colocar as coisas da sua vida em ordem, pelo poder da ressurreição.

Hoje, o Senhor está abrindo todas as sepulturas, está enxugando as lágrimas dos seus olhos e está realizando uma grande restauração!

Creia, profetize e você verá, destas áreas que estavam mortas em sua vida, surgir um grande milagre.

1 Coríntios 2.9: “Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.”

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Vencendo a pior crise que pode existir



Romanos 6.1 a 13: “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que seja a graça mais abundante? De modo nenhum! Como viveremos ainda no pecado, nós os que para ele morremos? Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? 

Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida. Porque, se fomos unidos com ele na semelhança da sua morte, certamente, o seremos também na semelhança da sua ressurreição, sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravos; porquanto quem morreu está justificado do pecado. 

Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos, sabedores de que, havendo Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte já não tem domínio sobre ele. Pois, quanto a ter morrido, de uma vez para sempre morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus. 

Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus. Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões; nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça.”

Nós estamos vivendo uma crise, mas não é uma crise financeira. A crise financeira tem os seus indicativos, suas estatísticas e perspectivas. Existem medidas econômicas e políticas que podem ser tomadas para aliviá-las. Mas, hoje, eu quero falar sobre uma das maiores crises que podem existir, a espiritual. 

Qual é a grande crise espiritual? É nós sermos inconsequentes em relação ao pecado. João fala que, se nós afirmamos que não temos pecado, somos mentirosos, e o espírito de Deus não habita em nós. 

Quando nós perdemos a consciência do pecado, nossa mente fica cauterizada, ou seja, passamos a praticar o pecado inconsequentemente. De repente, ele já não nos incomoda mais. É exatamente aí que está a grande cilada do inimigo, porque, de acordo com Romanos 6.23, o salário do pecado é a morte.  

Quando você chega ao estágio em que o pecado não te incomoda mais, a sua situação espiritual fica muito grave, porque quem nos convence do pecado, da justiça e do juízo é o Espírito Santo. Se Ele não pode mais atuar na sua vida, quem vai atuar? Certamente, o inimigo. Mas, quando eu assumo a postura de um servo de Deus e tenho a consciência de que preciso, constantemente, do perdão, da misericórdia de Deus e de resistir, eu não me entrego às tentações.  

Hoje, com base, nesta palavra, eu quero destacar três pontos importantes: 

1- Você precisa, definitivamente, dominar o que tem te dominado!

Um homem de Deus não pode viver de desculpas. Um homem de Deus não pode viver escondido em cavernas. Um homem de Deus não pode andar segundo sua própria direção. O mundo jaz no maligno, e Satanás tem deitado e rolado. Então, não deixe o pecado reinar em seu corpo mortal. Busque exercer a autoridade que o Senhor já te concedeu.  

2- Tenha consciência de que você está morto para o pecado. 

Você nasceu de novo? Você é nova criatura? A experiência que você teve com Cristo foi verdadeira? Você abandonou os velhos hábitos? Você não pode mais ter vida para o pecado. O pecado não pode mais agir em você livremente. 

Muito embora você lute contra o pecado, não podemos nos esquecer de que ele é um ser morto. A sua carne já foi mortificada, e você foi crucificado com Cristo. Se nós fomos crucificados com Cristo, nós não vivemos mais, mas Ele vive em nós. É o que Paulo nos ensina.  

O grande problema é que morremos para o pecado, mas insistimos em ressuscitá-lo em nós! Nós alimentamos esta malignidade, porque não a superemos. Qual é a resultante disso? Uma vida de derrotas e frustrações.  Você acaba remontando sempre as mesmas deformações, e, consequentemente, acaba vivendo os mesmos problemas. 

Em vez de tratar o pecado como algo morto, você acaba alimentando-o, como se fosse veias irrigando um tumor, e este tumor pode trazer morte para o seu corpo. Pode matar seus relacionamentos, sua carreira, sua família, seu ministério. 

Você precisa, todos os dias, resistir! Você tem que destruir, pela autoridade que o Senhor Jesus te concedeu, estes desejos malignos.

3- Busque ser como Cristo. 

Se nós fomos criados à Sua imagem e semelhança, precisamos entender que, com Ele, também morreu na cruz o nosso velho homem. Nós nos assemelhamos com Ele também na ressurreição.  

Nós, então, precisamos andar em novidade de vida. Você tem andando em novidade de vida? Se você morrer agora, você tem certeza de que irá para a eternidade? Você deve estar pensando: “Mas, Apóstolo, se eu estiver pecando, eu vou para o inferno?”. Não é sobre isso que estou falando. O que eu quero dizer é que, se o pecado estiver reinando, se você tiver uma aliança com o pecado e, se você estiver ferindo o Espírito Santo de Deus e não se renovar, seu destino talvez não seja a eternidade com Cristo. 

Cometer um erro não vai te levar para o inferno, porque você é justificado por Cristo, e as misericórdias d’Ele estão sobre sua vida! 

Então, meu querido, tome uma posição de vida agora! Lute, resista, não permita que o pecado reine mais, que o único rei da sua vida seja Jesus Cristo! Que, n’Ele, você seja mais que vencedor. 

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Inabalável como o Monte de Sião


Salmos 125: “Os que confiam no SENHOR são como o monte Sião, que não se abala, firme para sempre. Como em redor de Jerusalém estão os montes, assim o SENHOR, em derredor do seu povo, desde agora e para sempre. O cetro dos ímpios não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda a mão à iniquidade.

Faze o bem, SENHOR, aos bons e aos retos de coração. Quanto aos que se desviam para sendas tortuosas, levá-los-á o SENHOR juntamente com os malfeitores. Paz sobre Israel!”

A perspectiva da visão de um monte enche os nossos olhos! São lugares elevados, lugares que nos dão uma visão ampla e privilegiada!

Nesta passagem, fazendo uma alusão aos montes, Davi nos deixa alguns segredos espirituais. Um deles é que, independente de qualquer situação, devemos confiar incondicionalmente no Senhor.

Em quem você tem confiado? Você tem confiado nas suas amizades, na sua posição social, no seu potencial e em promessas humanas? Se a resposta for “sim”, sinto muito, mas você está fadado a viver uma grande frustração.

Querido, os que esperam em Deus são como o Monte de Sião. Nós somos roubados quando mudamos a direção da nossa confiança.

Salmos 37.5: “Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará.”

Davi nos mostra que o Senhor tem uma proteção para nós. O Monte de Sião está localizado em Jerusalém. Jerusalém é uma cidade murada!

Aqueles muros intimidavam os inimigos, e os montes davam a Davi uma visão estratégica para as batalhas. Mas, apesar de tudo isso, ele sabia que possuía uma segurança superior. É uma segurança que não vem de armamentos, de um grande exército ou, até mesmo, uma posição de honra.

Salmo 127.1: “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela.”

Nós somos guardados pelo sangue do Cordeiro, nós somos envolvidos por Sua proteção. E esta proteção não é somente física, mas espiritual, porque Satanás anda ao nosso derredor, rugindo como um leão e buscando a quem possa tragar (1 Pedro 5.8).

1 João 5.18: “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o Maligno não lhe toca.”

Quando eu tenho consciência de que, haja o que houver, estou protegido pelo Deus Todo-Poderoso os medos desaparecem.

Querido, você tem uma torre forte, um Deus forte! É Ele quem te ampara e te sustenta! Confie, porque Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre!

No último versículo, Davi escreve: “Paz sobre Israel!”. Que o Senhor inaugure um tempo de paz na sua vida! Nele, sua fé jamais será envergonhada!

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

O que nos espera?



1 Tessalonicenses 4.13 a 18 e 5.1 a 3: “Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. 

Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante Jesus, trará, em sua companhia, os que dormem. 

Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. 

Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras. 

Irmãos, relativamente aos tempos e às épocas, não há necessidade de que eu vos escreva; pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite. Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão.”
                                                                     
A preocupação que as pessoas têm com a volta de Jesus e com o destino dos seus amados que morreram não é de hoje. 

O Apóstolo Paulo, atendendo a uma expectativa ansiosa dos tessalonicenses, que discutiam intensamente sobre o arrebatamento de Cristo, deixou um alerta e uma sabedoria profunda do Espírito Santo! A sabedoria que nos traz consolo, que nos traz paz e a certeza de que, na volta do Senhor, haverá um grande e poderoso mover de ressurreição. Por isso, nós precisamos: 

Em primeiro lugar, ter em nós Romanos 8.11: “Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita.”

Se eu não convivo com a ressurreição, eu não posso experimentar das misericórdias do Senhor que se renovam a cada manhã. Para aqueles que não têm a ressurreição e que não têm esperança, a morte é definitiva, é o fim da linha! 

Por isso que, em 1 Coríntios 15.55 a 57, Paulo diz: “Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo.”

Então, este poder de vida que está em nós é o poder que nos ressuscitará, se estivermos mortos na volta de Cristo! 

Se nós não estivermos mortos, nós, em primeiro lugar, veremos os mortos ressuscitando e, em um segundo momento, seremos arrebatados! Portanto, devemos ter em nós a vida de Cristo, a qual Ele no concedeu em João 10.10: “O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.”

Em segundo lugar, vigiar e orar! 

Nós temos que orar e vigiar constantemente! A grande estratégia do diabo é levar as pessoas a não se ligarem na volta de Cristo! Isso nos torna inconsequentes. Muitos pensam: “Ah! Jesus não voltou até agora, tenho certeza de que só meus bisnetos terão essa experiência!”... “Já passaram tantas décadas e tantos séculos, e nem sinal da volta de Cristo!”. 

Eu não sei se Ele vai voltar hoje ou daqui mil anos. Eu sei que vou fazer de tudo para estar pronto! 

Precisamos ficar espertos, porque nosso adversário quer nos levar a viver como nos dias de Moisés – quando o povo se embriagava, fazia orgias, idolatrava outros deuses, murmurava contra Deus e se rebelava contra os enviados do Senhor. O povo praticava malignidades como se nada fosse acontecer! Este é, justamente, o estado espiritual de inconsciência quanto à volta de Jesus! Isso é a letargia que nos leva à morte espiritual! É como se Deus nem existisse! 

Aquele que não deixou morrer a sua natureza carnal, ou seja, está contaminado pelo mundo e impregnado pela sujeira de satanás, despreza a volta do Senhor Jesus. Mas Paulo alerta: “Ele virá como o ladrão à noite!”. 

Em Colossenses 3.1 a 6, Paulo também deixa um alerta: Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra; porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus.  Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória. Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria; por estas coisas é que vem a ira de Deus [sobre os filhos da desobediência].”

Jesus virá como a mulher que está prestes a dar à luz, ou seja, é algo incontrolável. Quando a mãe está para dar à luz, a bolsa estoura, e nada pode impedir o nascimento daquele bebê! Assim será a volta de Cristo! Será no abrir e fechar de olhos! Então, precisamos estar preparados! 

Estar preparado significa estar em santidade, em aliança, plenos de oração e plenos do Espírito Santo! É saber que, quando nós menos esperarmos, o Senhor voltará com poder e grande glória! 

Em terceiro lugar, não despreze essa verdade 

Paulo fala: “Eu não quero que vocês sejam ignorantes quando a isso! Eu não quero que vocês desprezem essa verdade, mas eu quero que sejam cheios do Espirito Santo. No momento em que as pessoas estiverem falando sobre paz, virá uma repentina destruição.”. 

Eu estava meditando nessa palavra e eu quero dividir algo muito precioso com você! Nós temos muitos exemplos de destruição na Bíblia, mas eu vou repartir um que me chamou a atenção. 

No livro de Juízes, a queda da muralha de Jericó foi algo inesperado!  Ela caiu pelo brado, pelo grito e por uma intervenção divina. 

A única coisa que não foi destruída foi a casa de Raabe, que estava coberta por um símbolo profético – o sangue do Cordeiro. Isso significa que o sangue do Cordeiro, que é o sangue de Cristo, nos protege da destruição, desde que nós o coloquemos sobre nossas vidas! 

Assim como Paulo disse, nós veremos uma repentina destruição! Satanás sabe disso! Você acha mesmo que ele está de braços cruzados?  Não! Ele tenta nos roubar da presença do Senhor. Ele quer te tirar do seu ministério, te tirar da igreja e te impedir de ter uma vida espiritual para que, quando vier essa repentina destruição, você não esteja com a marca do sangue do Cordeiro. O objetivo dele é te destruir e roubar de você a salvação eterna. 

Então, querido, enquanto é dia, conecte-se com a luz! Enquanto houver pregação, alimente-se da Palavra de Deus! Enquanto houver Espírito Santo, seja cheio dele! Enquanto houver esperança, volte para os caminhos do Senhor! 

Não seja mais roubado! Se você tem vivido uma vida morna, deixe o Espírito Santo queimar no seu interior! Se você tem vivido uma vida de prostituição, o Senhor quer que você volte para a casa d´Ele! Volte! Não perca mais tempo! Não interessa se você se magoou com homens, a sua salvação não vem deles, mas de Jesus! Por Ele, vale a pena passar por cima de qualquer sentimento! 

Querido, quanto mais se aproxima a volta de Cristo, mais o mundo fica podre, mais o mundo fica destruído, mais nós vemos noticias barbarizantes, porque o homem vai se degradando. Nós temos visto por ai uma verdadeira sodomia! Estamos vivendo dias difíceis! 

Então, prepare-se, porque Ele virá! E, quando Ele vier, que nós sejamos, pelas Suas misericórdias, arrebatados, e, com base na visão de João no Apocalipse, nós sejamos a multidão daqueles que lavaram suas vestiduras no sangue do cordeiro e que, para sempre, adorarão ao Senhor! 

Este é o seu tempo! É o tempo de estarmos atentos, porque, quando Jesus voltar, todo o olho verá e toda a língua confessará que Ele é o Senhor!

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Viver na dependência de Deus


Lucas 21.1 a 4: “Estando Jesus a observar, viu os ricos lançarem suas ofertas no gazofilácio. Viu também certa viúva pobre lançar ali duas pequenas moedas; e disse: Verdadeiramente, vos digo que esta viúva pobre deu mais do que todos. Porque todos estes deram como oferta daquilo que lhes sobrava; esta, porém, da sua pobreza deu tudo o que possuía, todo o seu sustento.”

O Senhor Jesus nos dá uma tremenda lição. Muitas pessoas estão com a vida amarrada por causa de suas escalas de prioridades.

Mateus 6.21: “Porque, onde estiver o teu tesouro, aí também estará o teu coração”.

Onde está o seu coração? Você tem servido a Deus com integridade? Você ama Deus sobre todas as coisas? A sua relação com Deus está acima de tudo? Se não estiver, o seu coração, certamente, está corrompido.

Em Jeremias 17, está escrito que o nosso coração é desesperadamente corrupto, ou seja, ele pode, sim, nos levar a inverter nossa escala de prioridades.

Colocar algo ou alguém acima de Deus é sinal de idolatria. Há pessoas, situações e coisas que, sem perceber, você tem colocado no lugar do único que é digno de toda honra, glória e louvor.

Talvez, você esteja idolatrando sua casa, seus filhos, seu emprego, ou até mesmo uma enfermidade, porque você tem vivido em função dela. É ela quem determina seu humor e sua rotina. Talvez, você esteja idolatrando um relacionamento. Você, de repente, deixou os amigos, a família e o ministério de lado.

Em Mateus 6.33, Jesus disse: Buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.”. Uma das leis deixada pelo Senhor foi “não terás outros deuses além de mim.”.

Está na hora de você rever sua escala de prioridades. Está na hora de você, verdadeiramente, entregar seus caminhos ao Senhor, confiar n’Ele, porque o mais Ele fará.

Naquele momento de entrega de ofertas, Jesus viu os ricos entregando esmolas e não deu muita importância porque, simplesmente, era um ato religioso. Um ato religioso, sem amor e sem um propósito não diz nada diante de Deus. Mas, na sequência, chega aquela viúva pobre e entrega duas moedinhas. 

Com certeza, em comparação às outras ofertas, aquele valor era baixo, mas Jesus Cristo não olha o valor que nós entregamos, mas o nosso coração. Ela entregou tudo o que tinha! Se o Bill Gates, por exemplo, entregasse tudo o que tem, ou seja, bilhões e bilhões, proporcionalmente, seria a mesma oferta que a aquela viúva entregou. Tudo é tudo, não importa se a pessoa possui muito ou pouco.  

Aquela mulher era desprendida, era liberal. Ela não estava preocupada com o dia de amanhã, mas em agradar a Deus.

Você tem entregado tudo ao Senhor? Ou você tem agido como aquele mancebo de “qualidade”, que não quis abrir mão de suas riquezas para seguir Jesus?

Aquela viúva tinha em seu coração a verdade de Gálatas 5.1: “Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão.”.

Abrir mão de tudo o que gostamos e da segurança humana é sinal de muita fé.

Hebreus 10.38: “Mas o justo viverá pela fé...”

Hebreus 11.6: “Sem fé, é impossível agradar a Deus...”

Aquela viúva entregou uma oferta similar à oferta de Ester. Ester arriscou sua própria vida: “Se perecer, pereci!”. A fé delas estava acima de tudo, porque elas sabiam que estavam em um plano superior.

Nós precisamos colocar nosso coração no lugar certo. Precisamos exercitar mais a fé que pregamos e a verdade que acreditamos!

Sabe qual foi o fim daquela viúva? Dias de suprimento, dias de viver o que aquelas duas moedinhas jamais proporcionariam a ela. Precisamos ter consciência de que sempre, sempre, sempre o fruto será maior que a semente!

Aquela mulher aprendeu a viver na dependência de Deus e a viver a verdadeira liberdade no espírito.

 João 8.38: “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”

Tenha convicção de que o Senhor jamais de abandonará ou te desamparará. Nele, o seu trabalho não é vão. Que a atitude desta viúva seja um grande exemplo para a sua vida. 

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Deus está no controle!


Atos 23.11 a 25: “Na noite seguinte, o Senhor, pondo-se ao lado dele, disse: Coragem! Pois do modo por que deste testemunho a meu respeito em Jerusalém, assim importa que também o faças em Roma. Quando amanheceu, os judeus se reuniram e, sob anátema, juraram que não haviam de comer, nem beber, enquanto não matassem Paulo. Eram mais de quarenta os que entraram nesta conspirata.



Estes, indo ter com os principais sacerdotes e os anciãos, disseram: Juramos, sob pena de anátema, não comer coisa alguma, enquanto não matarmos Paulo. Agora, pois, notificai ao comandante, juntamente com o Sinédrio, que vo-lo apresente como se estivésseis para investigar mais acuradamente a sua causa; e nós, antes que ele chegue, estaremos prontos para assassiná-lo. Mas o filho da irmã de Paulo, tendo ouvido a trama, foi, entrou na fortaleza e de tudo avisou a Paulo.


Então, este, chamando um dos centuriões, disse: Leva este rapaz ao comandante, porque tem alguma coisa a comunicar-lhe. Tomando-o, pois, levou-o ao comandante, dizendo: O preso Paulo, chamando-me, pediu-me que trouxesse à tua presença este rapaz, pois tem algo que dizer-te. Tomou-o pela mão o comandante e, pondo-se à parte, perguntou-lhe: Que tens a comunicar-me? Respondeu ele: Os judeus decidiram rogar-te que, amanhã, apresentes Paulo ao Sinédrio, como se houvesse de inquirir mais acuradamente a seu respeito.


Tu, pois, não te deixes persuadir, porque mais de quarenta entre eles estão pactuados entre si, sob anátema, de não comer, nem beber, enquanto não o matarem; e, agora, estão prontos, esperando a tua promessa. Então, o comandante despediu o rapaz, recomendando-lhe que a ninguém dissesse ter-lhe trazido estas informações. Chamando dois centuriões, ordenou: Tende de prontidão, desde a hora terceira da noite, duzentos soldados, setenta de cavalaria e duzentos lanceiros para irem até Cesareia; preparai também animais para fazer Paulo montar e ir com segurança ao governador Félix. E o comandante escreveu uma carta nestes termos...”.

Nesta passagem, nós vemos que, por meio de uma denúncia falsa, Paulo foi preso em Cesareia de Filipe, onde os fariseus e os religiosos, que não suportavam a pregação da doutrina de Cristo, armaram uma emboscada contra ele.

Paulo, até então, achava que seria somente investigado por aquele centurião, mas, na verdade, ele seria assassinado. Este era o plano do inimigo, mas os planos do Senhor são soberanos e superiores.

Muitas vezes, passamos por situações de calamidade, mas nunca podemos nos esquecer de que Deus sempre tem um caminho para nós. No Salmo 139.16, o salmista fala que todos os nossos dias foram escritos e determinados pelo Senhor, quando ainda éramos uma substância informe no ventre de nossas mães. Antes da nossa existência, Ele já estava no controle de nossas vidas!

Deus tinha uma jornada para Paulo, e o inimigo queria fazer de tudo para paralisá-lo. O plano que o Senhor tem para nós só se cumpre quando temos condições espirituais adequadas, ou seja, quando, a exemplo de Paulo, entregamos nossas vidas para Cristo.

A mensagem que eu tenho pra você hoje é: A despeito das dificuldades, das evidências e das tramas do inimigo, o Senhor tem um poderoso livramento!

Em 2 Samuel 7.12, está escrito: “... e chamou-lhe Ebenézer; e disse: Até aqui, nos ajudou o Senhor!”. Sabe o que quer dizer Ebenézer? Pedra de escape! Deus tem um escape para você.

Aqueles fariseus não sabiam, mas Deus estava no controle daquela situação e revelou tudo a Paulo. O sobrinho dele ouviu toda a trama e denunciou os responsáveis. O que é isso? É o cumprimento da palavra de Lucas 12.2: “Nada há encoberto que não venha a ser revelado; e oculto que não venha a ser conhecido.”.

Todos os planos e armadilhas do inimigo serão revelados a você. A arma que inimigo preparou para te aniquilar será exposta à vergonha, porque o livramento é mais forte que as ameaças. Há um escape do Senhor ordenado para a sua vida! Creia no que está escrito em Isaías 57.17: “Nenhuma arma contra ti prosperará...”.

Armaram conta o seu casamento? Armaram contra sua vida profissional? Armaram contra sua família? Guarde o seu coração, porque o Senhor é o seu juiz!

Paulo viveu um grande livramento, e este livramento pertence à Igreja de Cristo, ou seja, pertence a você também!

Paulo estava prestes a cair em um plano maquiavélico, mas Ele não estava sozinho! Você não está sozinho nesta batalha. Não se preocupe! Pratique o Salmo 37.5: “Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará!”. Continue firme, em oração. Não deixe que a ansiedade te domine.

O Senhor disse a Paulo: “Você está sendo perseguido e ameaçado, mas você vai para Roma! Os planos que Eu tenho vão se cumprir na sua vida!”.

Isso é tão profundo e verdadeiro! Em Deus, não há sobra de dúvida e variação. Nele, está concentrado o poder absoluto de todas as coisas.

Creia, porque, em Jeremias 29.11, está escrito: “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais.”.

Creia, porque, em Isaías 55.9, está escrito: “Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.”.

Não entregue os pontos! Deus tem para você saídas, livramentos e planos superiores!

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Como ter vitórias no campo de batalha


1 Samuel 4.1 a 22: "Veio a palavra de Samuel a todo o Israel. Israel saiu à peleja contra os filisteus e se acampou junto a Ebenézer; e os filisteus se acamparam junto a Afeca. Dispuseram-se os filisteus em ordem de batalha, para sair de encontro a Israel; e, travada a peleja, Israel foi derrotado pelos filisteus; e estes mataram, no campo aberto, cerca de quatro mil homens. 

Voltando o povo ao arraial, disseram os anciãos de Israel: Por que nos feriu o SENHOR, hoje, diante dos filisteus? Tragamos de Siló a arca da Aliança do SENHOR, para que venha no meio de nós e nos livre das mãos de nossos inimigos. Mandou, pois, o povo trazer de Siló a arca do SENHOR dos Exércitos, entronizado entre os querubins; os dois filhos de Eli, Hofni e Finéias, estavam ali com a arca da Aliança de Deus.

Sucedeu que, vindo a arca da Aliança do SENHOR ao arraial, rompeu todo o Israel em grandes brados, e ressoou a terra. Ouvindo os filisteus a voz do júbilo, disseram: Que voz de grande júbilo é esta no arraial dos hebreus? Então, souberam que a arca do SENHOR era vinda ao arraial. E se atemorizaram os filisteus e disseram: Os deuses vieram ao arraial. E diziam mais: Ai de nós! Que tal jamais sucedeu antes. Ai de nós! Quem nos livrará das mãos destes grandiosos deuses? São os deuses que feriram aos egípcios com toda sorte de pragas no deserto. Sede fortes, ó filisteus! Portai-vos varonilmente, para que não venhais a ser escravos dos hebreus, como eles serviram a vós outros! Portai-vos varonilmente e pelejai!

Então, pelejaram os filisteus; Israel foi derrotado, e cada um fugiu para a sua tenda; foi grande a derrota, pois foram mortos de Israel trinta mil homens de pé. Foi tomada a arca de Deus, e mortos os dois filhos de Eli, Hofni e Finéias. Então, correu um homem de Benjamim, saído das fileiras, e, no mesmo dia, chegou a Siló; trazia rasgadas as vestes e terra sobre a cabeça. Quando chegou, Eli estava assentado numa cadeira, ao pé do caminho, olhando como quem espera, porque o seu coração estava tremendo pela arca de Deus. Depois de entrar o homem na cidade e dar as novas, toda a cidade prorrompeu em gritos.

Eli, ouvindo os gritos, perguntou: Que alvoroço é esse? Então, se apressou o homem e, vindo, deu as notícias a Eli. Era Eli da idade de noventa e oito anos; os seus olhos tinham cegado, e já não podia ver. Disse o homem a Eli: Eu sou o que saí das fileiras e delas fugi hoje mesmo. Perguntou-lhe Eli: Que sucedeu, meu filho? Então, respondeu o que trazia as novas e disse: Israel fugiu de diante dos filisteus, houve grande morticínio entre o povo, e também os teus dois filhos, Hofni e Finéias, foram mortos, e a arca de Deus foi tomada. Ao fazer ele menção da arca de Deus, caiu Eli da cadeira para trás, junto ao portão, e quebrou-se-lhe o pescoço, e morreu, porque era já homem velho e pesado; e havia ele julgado a Israel quarenta anos.

Estando sua nora, a mulher de Finéias, grávida, e próximo o parto, ouvindo estas novas, de que a arca de Deus fora tomada e de que seu sogro e seu marido morreram, encurvou-se e deu à luz; porquanto as dores lhe sobrevieram. Ao expirar, disseram as mulheres que a assistiam: Não temas, pois tiveste um filho. Ela, porém, não respondeu, nem fez caso disso. Mas chamou ao menino Icabô, dizendo: Foi-se a glória de Israel. Isto ela disse, porque a arca de Deus fora tomada e por causa de seu sogro e de seu marido. E falou mais: Foi-se a glória de Israel, pois foi tomada a arca de Deus.”

Samuel era sacerdote e enviou Israel para a batalha, dizendo que Deus iria abençoá-los. Mas, chegando ao local do confronto, tudo foi diferente.

Eles foram à luta debaixo de uma palavra, mas foram derrotados, pois estavam despreparados. Foram cheios de arrogância, prepotência e sem a Arca da Aliança. Consequentemente, quatro mil judeus morreram no confronto.

A palavra que o Senhor tem para nós é: “Israel só pode vencer as batalhas se estiver limpo!”.

Após a derrota, eles questionaram ao Senhor, pois se sentiram abandonados, mas Samuel explicou o motivo do massacre.

Eles, então, pegaram a Arca da Aliança, chamaram os filhos de Eli e foram para a segunda guerra, deixando os filisteus perplexos, pois sabiam que a Arca representava a presença do Senhor.

Entretanto, a motivação do povo de Israel não era correta. Eles trataram a Arca da Aliança como se fosse um amuleto. O que Deus espera de nós é um coração limpo e íntegro! O altar somos nós!

O povo estava corrompido, e havia dois sacerdotes em pecado. Qual foi o resultado? Foram derrotados novamente e perderam mais de 30 mil homens.

Precisamos entender que nossas derrotas também podem estar relacionadas aos nossos sentimentos e motivações.

Ainda que a vitória esteja ordenada, se, no meio de nós, houver contaminação, ela não se manifestará.

Para ter vitória no campo de batalha é necessário:

1- Limpar-se de todas as contaminações antes de ir à luta (João 15.2)

Jesus disse: “Eu Sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que, estando em mim, não dá fruto, Ele retira; e todo que dá fruto, Ele limpa, para que dê mais fruto ainda.”.

Limpe-se de tudo o que te afasta do Senhor.

2- Entre na guerra com armas espirituais (Zacarias 4.6 e Efésios 6.10)

O Senhor diz: “Não será por força nem por violência, mas pelo meu Espírito.”.

Não podemos esquecer de que nossas guerras são espirituais. Sem fé, não existe proteção!

3- Entre na guerra com a Arca da Aliança

Arca da nossa aliança é Jesus Cristo.

O que havia na Arca que o povo de Israel carregava:

- A Palavra de Deus: livro e as tábuas da lei (Êxodo 25.16)

- O pão (Êxodo 16.32 e João 6.35)

Jesus é o pão da vida!

- A vara de Arão (Números 17.10 e João 15.1)

A Arca não era um amuleto, mas o símbolo profético da presença de Deus nas batalhas.

Quando você está em guerra, deixe o Senhor ser o seu general! 

Nele, somos mais que vencedores!

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Lutas e propósitos superiores!


Filipenses 1.12 a 26: "Quero ainda, irmãos, cientificar-vos de que as coisas que me acontecem têm, antes, contribuído para o progresso do evangelho; de maneira que as minhas cadeias, em Cristo, se tornaram conhecidas de toda a guarda pretoriana e de todos os demais; e a maioria dos irmãos, estimulados no Senhor por minhas algemas, ousam falar com mais desassombro a Palavra de Deus.


Alguns, efetivamente, proclamam a Cristo por inveja e porfia; outros, porém, o fazem de boa vontade; estes, por amor, sabendo que estou incumbido da defesa do evangelho; aqueles, contudo, pregam a Cristo, por discórdia, insinceramente, julgando suscitar tribulações às minhas cadeias.


Todavia, que importa? Uma vez que Cristo, de qualquer modo, está sendo pregado, que por pretexto, quer por verdade, também com isto me regozijo, sim, sempre me regozijarei. Por que estou certo de que isto mesmo, pela vossa súplica e pala provisão do Espírito de Jesus Cristo, me redundará em libertação, segundo a minha ardente expectativa e esperança de que em nada serei envergonhado; antes, com toda a ousadia, como sempre, também agora, será Cristo engrandecido no meu corpo, quer pela vida, quer pela morte.


Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e morrer é lucro. Entretanto, se o viver na carne traz fruto para o meu trabalho, já não sei o que hei de escolher. Ora, de um e outro lado, estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar, com Cristo, o que é incomparavelmente melhor. Mas, por vossa causa, é mais necessário permanecer na carne. E, convencido disto, estou certo de que ficarei e permanecerei com todos vós, para o vosso progresso e gozo na fé, a fim de que aumente, quanto a mim, o motivo de vos gloriardes em Cristo Jesus, pela minha presença, de novo, convosco.”


Paulo estava preso em Roma. Esta prisão trouxe uma grande comoção entre a sociedade que, na época, era composta também por cristãos. Muitas pessoas acusaram Paulo injustamente. Outras, simplesmente, ficaram paralisadas. Algumas, por outro lado, tiveram a fé abalada.

Mas Paulo, em meio a essa loucura, levantou questões maravilhosas. Vamos enumerá-las:

Em primeiro lugar: A situação pela qual estou passando é para o progresso e crescimento da vossa fé!

Muitas vezes, é difícil entender que as situações de abandono, de humilhação, de solidão, de perdas familiares e de enfermidades podem trazer aspectos positivos à nossa vida.

Mas, na verdade, por piores que sejam as lutas que você está vivendo, elas terão um fim proveitoso! Esta situação vai trazer progresso, não somente para você, mas para as pessoas que te cercam.

Nos momentos mais difíceis, nosso testemunho precisa falar mais alto que tudo. Na adversidade, nós mostramos que dependemos de Deus e que caminhamos pelo espírito.

Se você passar pelas adversidades com autoridade, com consolo, com forças e não desfalecer, a sua tribulação será leve, momentânea e trará peso de glória.

Satanás não vai se aproveitar do seu momento de dor. Você não vai entregar os pontos. Você não vai ficar prostrado e, muito menos, preso à depressão!

Em segundo lugar: Importa que, através do que está acontecendo comigo, o evangelho seja pregado. Tenha convicção de que a voz da suplica trará libertação!

Nós, quando passamos pela adversidade, temos algumas tendências: nos trancamos, não queremos dividir nossas dificuldades com ninguém, queremos ficar sozinhos, porque tudo nos irrita, tudo nos perturba e não temos paz!

Nas situações que nos fazem perder a razão, a oração, o clamor e a súplica nos fazem encontrar uma saída.

Se você não consegue orar sozinho, há uma igreja que ora por você! Peça oração para seu irmão em Cristo ou para o seu pastor! A aliança nos fortalece!

Tiago 5.16: “Confessai, pois, os vossos pecados e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo”.

Paulo disse: Eu sei que a oração e a suplica de vocês me devolverão a liberdade!

Em terceiro lugar: O meu sofrimento não trará vergonha e não acabará com a minha vida!

Paulo tinha convicção de que aquela situação não era o fim da linha! Ele sabia que o propósito de Deus era, infinitamente, maior.

Se hoje existem pessoas que torcem pelo seu fracasso, não se abale! No lugar da sua vergonha, você terá dupla honra.

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

A vitória no naufrágio


Atos 28.1 a 10: “1 Uma vez em terra, verificamos que a ilha se chamava Malta. Os bárbaros trataram-nos com singular humanidade, porque, acendendo uma fogueira, acolheram-nos a todos por causa da chuva que caía e por causa do frio.

Tendo Paulo ajuntado e atirado à fogueira um feixe de gravetos, uma víbora, fugindo do calor, prendeu-se-lhe à mão. Quando os bárbaros viram a víbora pendente da mão dele, disseram uns aos outros: Certamente, este homem é assassino, porque, salvo do mar, a Justiça não o deixa viver.

Porém ele, sacudindo o réptil no fogo, não sofreu mal nenhum; mas eles esperavam que ele viesse a inchar ou a cair morto de repente. Mas, depois de muito esperar, vendo que nenhum mal lhe sucedia, mudando de parecer, diziam ser ele um deus.

Perto daquele lugar, havia um sítio pertencente ao homem principal da ilha, chamado Públio, o qual nos recebeu e hospedou benignamente por três dias. Aconteceu achar-se enfermo de disenteria, ardendo em febre, o pai de Públio. Paulo foi visitá-lo, e, orando, impôs-lhe as mãos, e o curou.

À vista deste acontecimento, os demais enfermos da ilha vieram e foram curados, o s quais nos distinguiram com muitas honrarias; e, tendo nós de prosseguir viagem, nos puseram a bordo tudo o que era necessário.”

Paulo estava seguindo viagem em direção a Roma. Mas, durante o percurso, ele se depara com um tufão, que fez com que sua embarcação sofresse um terrível naufrágio.  

Paulo estava debaixo do envio e da direção de Deus. Ele sabia que, independente de qualquer contratempo, ele chegaria são e salvo ao seu destino.

No meio desta terrível tempestade, o Senhor reafirma Suas promessas e Seus propósito,s e o que era para ser um desastre se torna em um poderoso livramento.

Hoje, com base neste episódio, eu gostaria de destacar alguns pontos importantes:

1. Depois de superar o naufrágio, Paulo teve que lidar com uma série de situações impeditivas, como, por exemplo, o plano astuto da serpente.

Gênesis 3.4: “Então, a serpente disse à mulher: É certo que não morrereis.”

Josué 1.5: “Ninguém te poderá resistir todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei, nem te desampararei.”

Novamente, o inimigo usa a serpente para tentar impedir o plano de Deus!  Satanás sabia que a morte de Paulo representaria a morte do mover apostólico.  

Todos esperavam que Paulo morresse após a mordida daquela serpente, mas eles não sabiam que nada pode impedir aquele que é coberto pelo sangue do Cordeiro e está debaixo de um envio.

2. Paulo estava protegido pela sua missão

Romanos 5.1 a 4: “Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus.

E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança.”

Ali, na Ilha de Malta, Paulo estava exposto a uma virose mortal. Mas, além de não ter sido contaminado, Deus o usou e o justificou.

Em meio às lutas, o Senhor nos dá capacidade para reverter situações. Em vez de uma incógnita, você será reconhecido como servo do Deus vivo!

3. Deus usou a adversidade para manifestar o Seu poder

Atos 28.9 e 10: “9  À vista deste acontecimento, os demais enfermos da ilha vieram e foram curados, os quais nos distinguiram com muitas honrarias; e, tendo nós de prosseguir viagem, nos puseram a bordo tudo o que era necessário.”

A sepultura era o local que poderia representar a morte do ministério de Jesus. Para os judeus, seria a confirmação de que Ele não era o Messias. Mas, em vez disso, tornou-se a garantia de que a viagem continua.

Paulo saiu daquelas situações honrado e restituído. A obra do Senhor foi realizada com poder e grande glória!

Filipenses 1.6: “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao dia de Cristo Jesus.”


Creia nesta palavra! Os planos que o Senhor tem para a sua vida são infalíveis e imutáveis!