terça-feira, 14 de agosto de 2018

É tempo de romper limites!


Marcos 2.1 a 12: Dias depois, entrou Jesus de novo em Cafarnaum, e logo correu que ele estava em casa. Muitos afluíram para ali, tantos que nem mesmo junto à porta eles achavam lugar; e anunciava-lhes a palavra. Alguns foram ter com ele, conduzindo um paralítico, levado por quatro homens. E, não podendo aproximar-se dele, por causa da multidão, descobriram o eirado no ponto correspondente ao em que ele estava e, fazendo uma abertura, baixaram o leito em que jazia o doente.

Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico: Filho, os teus pecados estão perdoados. Mas alguns dos escribas estavam assentados ali e arrazoavam em seu coração: Por que fala ele deste modo? Isto é blasfêmia! Quem pode perdoar pecados, senão um, que é Deus? E Jesus, percebendo logo por seu espírito que eles assim arrazoavam, disse-lhes: Por que arrazoais sobre estas coisas em vosso coração? Qual é mais fácil? Dizer ao paralítico: Estão perdoados os teus pecados, ou dizer: Levanta-te, toma o teu leito e anda?

Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados – disse ao paralítico: Eu te mando: Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa. Então, ele se levantou e, no mesmo instante, tomando o leito, retirou-se à vista de todos, a ponto de se admirarem todos e darem glória a Deus, dizendo: Jamais vimos coisa assim!”

Jesus tinha sua base espiritual em Cafarnaum, onde Ele sempre reunia multidões. Ali, também havia um paralítico que ficou conhecido pela grandiosidade se sua fé. No coração dele, havia um único objetivo: ficar frente a frente com Jesus! Ele não se colocou na condição de coitado e incapacitado!

Qual caminho aquele paralítico encontrou? Como não dava para passar pela multidão, qual alternativa ele tinha? Entrar pelo telhado! Para tal missão, ele contou com o apoio de quatro homens, que simbolizavam os caminhos que nos levam a romper limites!

Enquanto Jesus ministrava, desce uma cama do teto, deixando todos impressionados com tamanha fé e determinação. Ao olhar o paralítico, Jesus perdoa seus pecados e o cura.

Com base nesta passagem, eu gostaria de destacar quatro pontos importantes:

1- Não podemos, nunca, nos entregar a sentimentos que nos levam a acreditar que está tudo acabado.

2- Para romper limites, precisamos encontrar diferentes caminhos; precisamos sair da zona de conforto.

3- As barreiras existem para serem superadas e ultrapassadas, e não para ficarmos lamentado do outro lado.

4- Não podemos avaliar o fracasso como a única alternativa.

É tempo de romper limites! Nunca desista dos seus sonhos, porque sempre haverá um caminho!

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Como estão suas motivações?


João 6.22 a 40: “No dia seguinte, a multidão que ficara do outro lado do mar notou que ali não havia senão um pequeno barco e que Jesus não embarcara nele com seus discípulos, tendo estes partido sós. Entretanto, outros barquinhos chegaram de Tiberíades, perto do lugar onde comeram o pão, tendo o Senhor dado graças. Quando, pois, viu a multidão que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, tomaram os barcos e partiram para Cafarnaum à sua procura.

E, tendo-o encontrado no outro lado do mar, lhe perguntaram: Mestre, quando chegaste aqui? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes. Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará; porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo. Dirigiram-se, pois, a ele, perguntando: Que faremos para realizar as obras de Deus?

Respondeu-lhes Jesus: A obra de Deus é esta: que creiais naquele que por ele foi enviado. Então, lhe disseram eles: Que sinal fazes para que o vejamos e creiamos em ti? Quais são os teus feitos? Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer pão do céu. Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: não foi Moisés quem vos deu o pão do céu; o verdadeiro pão do céu é meu Pai quem vos dá. Porque o pão de Deus é o que desce do céu e dá vida ao mundo.

Então, lhe disseram: Senhor, dá-nos sempre desse pão. Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede. Porém eu já vos disse que, embora me tenhais visto, não credes. Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou. E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia. De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.”

Jesus já havia alimentado a multidão, quando multiplicou os pães e os peixes. Mas essa mesma multidão continuou desesperada atrás d’Ele única e exclusivamente por questões materiais e efêmeras.

Nesta passagem, nós vemos que, em primeiro lugar, ao multiplicar os pães e peixes Jesus, obviamente, estava suprindo uma necessidade física deles. Mas que, desta vez, Ele estava oferecendo um alimento profético. Um alimento que consiste em palavras de vida eterna. Ser alimentado por Jesus é ter o próprio Deus nos suprindo com um alimento celestial.

Apesar de ter acesso a esse alimento, aquela multidão não entendeu qual era sua profundidade. Pelo contrário, eles estavam correndo um grande risco de serem alimentados por aquilo que a carne os impulsionava.

Hoje, eu quero te perguntar: Do que você tem se alimentado?

Tome cuidado para você não cair na armadilha de se alimentar de motivações erradas e de toda a podridão que o inferno tem para oferecer.

O Senhor Jesus, então, repreende aquela multidão, dizendo: “Vocês estão correndo atrás de mim somente por causa do pão que perece. Vocês precisam do pão que é eterno!”. Esse pão é  o pão vivo que desceu dos céus, Jesus Cristo, que quer nos alimentar de paz, de esperança e de forças para que possamos seguir em frente.

Então, querido, não se alimente de nada que não seja o pão da vida!

Está passagem nos mostra, em segundo lugar, um segredo espiritual profundo e verdadeiro.

Aquela multidão estava pressionando Jesus e o questionando: “Moisés nos deu pão no deserto!”. Jesus, então, sabiamente, os respondeu: “Os vossos pais comeram o maná no deserto e morreram.”.

Ele também os conscientizou: “Não foi Moisés quem lhes deu o pão! O pão foi provisão do Senhor!”.

Muitas vezes, nós ficamos confusos, achando que a solução de nossas vidas está em homens. Aquela multidão estava querendo dizer que Moisés os havia suprido. Mas Jesus mostrou que, na verdade, foi o Pai celestial quem os sustentou naquele deserto.

Querido, quem vai resolver a sua vida é o Deus Todo-Poderoso. Ele é quem está no controle da situação!

Em terceiro lugar, por meio desta palavra tão profunda, creia que, além das coisas materiais, o Senhor Jesus tem muito mais para te entregar espiritualmente.

Mateus 6.33 precisa ser uma verdade na tua vida! Busque, em primeiro lugar, o Reino de Deus, e as demais coisas te serão acrescentadas!

Querido, buscar somente coisas materiais é ter uma vida vazia. Não tenha apenas interesses humanos em Cristo porque a nossa maior riqueza é a salvação. Busque ter uma relação profunda com Deus, busque ter uma vida espiritual intensa, e, consequentemente, o Senhor vai operar em todas as áreas da tua vida.

Eu espero que, a partir de hoje, você seja alimentado pelo pão da vida e que você viva a palavra que está em Tiago 1.17, que diz: Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança.”.

É tempo de você se aproximar de Jesus com fome espiritual. É tempo de você se aproximar de Jesus com desejos pessoais de crescer na fé! É tempo de buscar transformação e novas motivações.

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Nunca é tarde!


Josué 15.13 a 19: “A Calebe, filho de Jefoné, porém, deu Josué uma parte no meio dos filhos de Judá, segundo lhe ordenara o SENHOR, a saber, Quiriate-Arba, isto é, Hebrom; este Arba era o pai de Anaque.  Dali expulsou Calebe os três filhos de Anaque: Sesai, Aimã e Talmai, gerados de Anaque. Subiu aos habitantes de Debir, cujo nome, dantes, era Quiriate-Sefer. 

Disse Calebe: A quem derrotar Quiriate-Sefer e a tomar, darei minha filha Acsa por mulher.  Tomou-a, pois, Otniel, filho de Quenaz, irmão de Calebe; este lhe deu a filha Acsa por mulher. Esta, quando se foi a Otniel, insistiu com ele para que pedisse um campo ao pai dela; e ela apeou do jumento; então, Calebe lhe perguntou: Que desejas? Respondeu ela: Dá-me um presente; deste-me terra seca, dá-me também fontes de água. Então, lhe deu as fontes superiores e as fontes inferiores.”. 

Apesar de estar com 85 anos, Calebe não estava desgastado ou cansado. Pelo contrário, ele ainda tinha disposição de sobra para conquistar. Ele, então, recebe de herança uma parte da terra de Judá, chamada Hebrom.

Ao chegar naquele local, ele se deparou com um grande desafio. Aquela terra era habitada por uma família poderosa. Mas, mesmo assim, Calebe seguiu em frente, porque ele sabia que nunca é tarde para vivermos as promessas de Deus.

Ele manteve o que havia dito a Josué no capítulo 14: “Estou pronto para guerrear, entrar e sair!”. 

Quais foram os segredos de Calebe. Vou enumerar alguns: 

1º Ele tinha disposição 

Hoje, querido internauta, eu quero te perguntar: Você está pronto mesmo para lutar pelos seus sonhos? Você está pronto para pagar o preço pela promessa? Você está pronto para lutar pela sua casa, pela sua família e pelo seu futuro? Você está pronto para vencer as adversidades? 

Se você está pronto, então, tenha certeza de que Deus vai te dar graça, porque, aos olhos humanos, Calebe não tinha condições de vencer os gigantes Sesai, Aimã e Talmai. Mas ele tinha disposição e os derrotou. Ele não olhou para o tamanho daquela luta, mas para o poder infinito de Deus. 

2º Ele não se deixou intimidar 

Não se acovarde diante dos desafios! Quando Deus nos dá uma promessa, não significa que ela já virá pronta. Não significa que você deve ficar deitado em uma rede, esperando que tudo aconteça. 

Mateus 11.12: “O reino de Deus é tomado por força, e aqueles que assim praticam se apoderam dele.”. 

Para conquistar aquela terra, Calebe não tinha escolha! Ele tinha que enfrentar aqueles gigantes. Ele tinha que enfrentar os poderosos da terra. Qual era o desafio? Não criar expectativas negativas. 

Pessoas são derrotadas porque, em vez de enxergarem as promessas, enxergam as impossibilidades. Elas têm uma disposição interior totalmente contrária. 

Lucas 1.37: “Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas.”. 

Chegou a hora você vencer, de uma vez por todas, as mentiras do inferno. Não deixe que nada te coloque em uma posição inferior. 

Jó 42.2: “Bem sei que tudo podes, e nenhum de teus planos podem ser frustrados.”. 

3º Ele se uniu com aqueles que tinham o mesmo objetivo que ele 

Aquele monte não seria apenas de Calebe, mas de toda a sua família. Então, ele envolveu todos na luta. Ele disse: “Eu quero um genro que tenha o meu sentimento. Eu quero um genro que seja um lutador e batalhador!”. 

O que aconteceu? Otniel se levantou e assumiu aquele desafio. Ele se casou com Acsa e ajudou Calebe a conquistar aquela terra. Naquele local, eles viveram vitórias e tiveram seus sonhos realizados. 

Homem valente, mulher valente, prepare-se para fincar a bandeira com o nome da sua família na terra da sua promessa. Prepare-se para viver além do seu sonho, porque a terra é sua e de toda a sua posteridade. 

Romanos 5.3 a 5: “E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança. Ora, a esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado.”.

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

O seu socorro virá!


Habacuque 3: 17 a 19 “Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não haja gado, todavia, eu me alegro no SENHOR, exulto no Deus da minha salvação. O SENHOR Deus é a minha fortaleza, e faz os meus pés como os da corça, e me faz andar altaneiramente. Ao mestre de canto. Para instrumentos de cordas.”. 

Nesta passagem, o profeta Habacuque foi usado como a boca de Deus na terra. Ele nos traz verdades espirituais. 

1º) Independente da realidade, alegre-se no Senhor. Ainda que faltem recursos, ainda que os campos estejam destruídos, ainda que não haja perspectivas humanas, alegre-se no Senhor. Em João 16: 33, Jesus fala: “No mundo, tereis aflições, mas tende bom ânimo. Eu venci o mundo.”. Quando Paulo afirma que se alegra nas suas tribulações, ele se refere à independência que ele tem de Deus. Não tem nada a ver com masoquismo. 

 2º) Encontre alegria onde ninguém encontra.  Alegria é diferente de euforia, de regozijo. Alegria tem a ver com paz interior. Alegria tem a ver com equilíbrio e com a certeza de que minha leve e momentânea tubulação produzirá um peso de glória. A alegria é uma arma poderosa para vencer o que, aos olhos humanos, é impossível. Jesus tinha uma grande força interior, porque sabia que aquele sofrimento teria um propósito superior. 

3º) No Senhor, você andará de cabeça erguida Por que você está de cabeça baixa? Você está de cabeça baixa por que não conseguiu o emprego? Você está de cabeça por que não conseguiu uma roupa nova? Você está de cabeça baixa por que está sozinho? Levante sua cabeça, porque o Senhor não te abandonou. Levante a cabeça, porque só o Senhor nos faz caminhar de cabeça erguida! 

O seu socorro virá. Recebe essa palavra, porque, hoje mesmo, O senhor vai mudar sua sorte

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

O melhor estilo de vida!


1 Pedro 1.13 a 21: "Por isso, cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo. Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância; pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo.

Ora, se invocais como Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo as obras de cada um, portai-vos com temor durante o tempo da vossa peregrinação, sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo, conhecido, com efeito, antes da fundação do mundo, porém manifestado no fim dos tempos, por amor de vós que, por meio dele, tendes fé em Deus, o qual o ressuscitou dentre os mortos e lhe deu glória, de sorte que a vossa fé e esperança estejam em Deus.”.

Esta Palavra é tremenda, porque nós precisamos, em primeiro lugar, de santidade!

Hebreus 12.14: “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor...”

Nesta passagem, o apóstolo Pedro fala sobre qual deve ser a nossa condição espiritual. Mais para frente, ele explica que nós somos uma casa espiritual, onde Deus habita e oferecemos a Ele um sacrifício santo e agradável.

Quando não andamos em santidade, tudo o que Deus tinha para nós fica retido! O que podemos concluir? Que a falta de santidade pode ser o principal motivo dos insucessos, porque é ela que nos leva ao centro da vontade do Senhor. Quando não estamos no centro da vontade d’Ele, deixamos de experimentar o que Ele tem para nós. 

Quando não andamos em santidade, automaticamente, andamos de acordo com os preceitos do nosso passado. Pedro, por exemplo, estava se referindo à hipocrisia, ao abandono e às mentiras que o povo de Israel viveu por muito tempo, quando deixaram de honrar ao Senhor. 

Quando não andamos em santidade, viramos reféns da religiosidade. A religiosidade é uma arma cruel, pois tira de nós a consciência do que é sagrado e limpo.  

De acordo com a religiosidade, somos obrigados a cumprir determinadas práticas. Isso é uma tremenda cilada, porque precisamos buscar a santidade, não por uma obrigação, mas por amor a Deus, ou seja, quando temos prazer em agradá-Lo. 

A santidade é um estilo de vida estabelecido pelo Senhor, para que possamos viver a vontade d’Ele, que é boa perfeita e agradável. 

No final desta passagem que iniciou nosso estudo, Pedro deixa um segredo espiritual: “Que a tua fé e a tua esperança estejam no Senhor!”. Aonde você tem colocado sua fé e sua esperança? Que caminhos você tem percorrido? Você tem optado em viver a verdade ou sempre tem buscado desculpas para continuar errando?  

Chegou a hora de mudar de atitude! Chegou a hora de você ter um relacionamento transparente e profundo com Deus!

Opte pela santidade, porque ela traz paz, autoridade e comunhão – fatores imprescindíveis para que você tenha uma vida abençoada. Opte pela santidade, porque ela é o melhor estilo de vida.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Transformando lutas em bênçãos!


1 Coríntios 10.1 a 13 “Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos passaram pelo mar, tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés. Todos eles comeram de um só manjar espiritual e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo. Entretanto, Deus não se agradou da maioria deles, razão por que ficaram prostrados no deserto.
                       
Ora, estas coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram. Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; porquanto está escrito: O povo assentou-se para comer e beber e levantou-se para divertir-se. E não pratiquemos imoralidade, como alguns deles o fizeram, e caíram, num só dia, vinte e três mil. Não ponhamos o Senhor à prova, como alguns deles já fizeram e pereceram pelas mordeduras das serpentes.

Nem murmureis, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador. Estas coisas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado. Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia. Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.”

Nesta passagem, o apóstolo Paulo cita os motivos da derrota do povo de Israel no deserto. Deus tinha um projeto para eles. Esse projeto se concretizaria com a entrada na Terra Prometida.

É claro que o projeto de Deus não pode falhar. É obvio que os planos do Senhor vão se cumprir! O que ocorre é que, no decorrer deste processo, as pessoas podem mudar.

A grande verdade é que, se não acontecer na sua vida, vai acontecer na vida daquele que se levantar.  Essa foi a realidade do povo no deserto.

Eles cometeram os seguintes erros:

-Foram idólatras;

-Praticaram a imoralidade;

-Foram rebeldes;

-Murmuraram.

Todos esses ingredientes, juntos, culminaram em uma perda irreversível.

Deus havia começado um projeto de restituição para aquele povo de maneira tremenda:

Em primeiro lugar, libertando-os!

Em segundo lugar, dando condições para que eles atravessassem o deserto

O povo tinha comida, proteção e fontes de água! Em vez de agradecer pelo livramento e pela provisão, eles preferiram reclamar. Muitos, inclusive, afirmaram que viver como escravo no Egito era melhor!

Tome cuidado para você não cometer o mesmo erro. Se você está passando por uma luta, não a transforme em uma maldição. O caminho é: transformar a luta em bênçãos! Como? Através dos seus posicionamentos, das suas escolhas, da sua fé, pela sua espera no Senhor, pela sua dependência d´Ele, por você ter escolhido caminhar de acordo com a Palavra de Deus... Caso contrário, você vai comprometer todas as áreas da sua vida, vai ferir princípios espirituais e, ainda, transformar essa batalha em uma grande guerra.

O apóstolo Paulo também nos deixa outra recomendação: “Aquele que está em pé cuide para que não caia!”. O que isso quer dizer? Que essa luta ainda não te derrubou, mas você não pode relaxar.

Em terceiro lugar, dando oportunidades para aquele povo

Paulo deixa uma revelação muito profunda na passagem que acabamos de ler.  Aquela pedra que Moisés bateu e saiu água representava Jesus Cristo. Pedro fala que Jesus é a pedra de esquina, ou seja, mesmo no deserto, o povo tinha a fonte de água viva.

Eles tinham todas as condições para terem suas forças renovadas, assim como Elias, em 1 Reis 19, que, depois de comer do pão e beber da água, correu 40 dias no deserto.

Sabe, eu quero deixar um conselho: Ainda que seja uma pequena nuvem, não despreze o que Deus está fazendo! Faça com que ela seja uma chama de esperança no seu coração ou a porta que Ele vai abrir para que uma revolução comece na sua vida.

No final do texto, Paulo afirma que não há tentação, não há dor e não há dificuldades que não possamos suportar.

Às vezes, passamos por lutas tão difíceis, que achamos que é o fim da linha. Mas precisamos ter a certeza de que a nossa esperança no Senhor jamais será confundida.

Eu sei que, com a provação e com a dificuldade, Deus vai prover um grande livramento, porque Ele é fiel.

Se você está passando por um deserto, não faça dele a sua morada ou o seu funeral! Deserto é uma passagem, é uma fase! Deus tem muito mais para você! Não desista, não negocie suas convicções, opte em ser diferente! Calebe conviveu com a aquele povo, mas não cometeu as mesmas práticas. Ele escolheu ser diferente, por isso, o seu futuro foi diferente! Pague um preço! Vale a pena.

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

É tempo de vencer o que nunca foi vencido



Josué 15.63: “Não puderam, porém, os filhos de Judá expulsar os jebuseus que habitavam em Jerusalém; assim, habitam os jebuseus com os filhos de Judá em Jerusalém até ao dia de hoje.”

2 Samuel 5.6 a 10: “Partiu o rei com os seus homens para Jerusalém, contra os jebuseus que habitavam naquela terra e que disseram a Davi: Não entrarás aqui, porque os cegos e os coxos te repelirão, como quem diz: Davi não entrará neste lugar. Porém Davi tomou a fortaleza de Sião; esta é a Cidade de Davi.

Davi, naquele dia, mandou dizer: Todo o que está disposto a ferir os jebuseus suba pelo canal subterrâneo e fira os cegos e os coxos, a quem a alma de Davi aborrece. (Por isso, se diz: Nem cego nem coxo entrará na casa.) Assim, habitou Davi na fortaleza e lhe chamou a Cidade de Davi; foi edificando em redor, desde Milo e para dentro. Ia Davi crescendo em poder cada vez mais, porque o SENHOR, Deus dos Exércitos, era com ele.”

Os jebuseus habitavam em um monte situado em Jerusalém. Josué e os judeus não conseguiam vencê-los. Para poderem habitar naquela terra, eles decidiram conviver pacificamente com aquele povo, ou seja, abriram mão da conquista.

Davi, durante o seu reinado, decidiu enfrentá-los e, assim, finalmente conquistar Jerusalém. Mas ele foi subestimado e provocado.

Mesmo com todas aquelas afrontas, ele não se deixou intimidar e se dispôs a cumprir o desejo que Deus havia colocado em seu coração!

Davi queria um local para que seu reino fosse estabelecido. E isso ocorreu justamente em Jerusalém. Ele venceu todas aquelas afrontas e conquistou seu sonho!

Naquela região, os jebuseus tinham um abastecimento secreto de água. Davi descobre o caminho daquelas fontes. Ele e seu exército decidem entrar na cidade por elas. Quando amanheceu o dia, eles já estavam ali apostos para finalmente vencer os jebuseus.

Para que aquela jornada fosse bem-sucedida, era necessário:

1. Vencer os fantasmas interiores

1 João 4.18: “No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor.”

2. Não desistir da luta

Nossa caminhada é um desafio de fé!

3. Quebrar o medo de tentar outra vez

Tudo aquilo que, até hoje, você não venceu vai cair debaixo dos seus pés! Tudo aquilo que seus parentes não conseguiram conquistar será seu! A herança que Davi teria era a derrota, porque seus descendentes, em vez de vencerem os jebuseus, decidiram conviver com eles. Mas, com Davi, a história terminou em conquista! O Senhor deu a ele Jerusalém – o lugar do seu descanso. O local, até hoje, é conhecido como Cidade de Davi!

É tempo de vencer o que nunca foi vencido! Não adie mais suas conquistas! Levante-se, porque o Senhor é contigo!