terça-feira, 29 de outubro de 2019

Como não perecer no deserto?


1 Coríntios 10.1 a 13: “Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos passaram pelo mar, tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés. Todos eles comeram de um só manjar espiritual e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo.

Entretanto, Deus não se agradou da maioria deles, razão por que ficaram prostrados no deserto. Ora, estas coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram. Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; porquanto está escrito: O povo assentou-se para comer e beber e levantou-se para divertir-se. E não pratiquemos imoralidade, como alguns deles o fizeram, e caíram, num só dia, vinte e três mil.

Não ponhamos o Senhor à prova, como alguns deles já fizeram e pereceram pelas mordeduras das serpentes. Nem murmureis, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador. Estas coisas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado.

Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia. Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.”

Paulo fala para nós não ignorarmos o que aconteceu com o povo de Deus no deserto. Mesmo recebendo poderosos livramentos, eles, lamentavelmente, não alcançaram a promessa.

Hoje, infelizmente, há pessoas que morreram no meio do caminho. Há pessoas que tinham um plano vitorioso, mas, por causa das lutas, caíram.

Aquele povo foi liberto do Egito, onde foram escravos por mais de 400 anos. Deus tinha levantado Moisés para libertá-los.

O caminho em direção à terra prometida levaria no máximo 30 dias, mas aquela jornada durou 40 anos, ou seja, toda aquela geração que saiu do Egito pereceu no deserto.

Este é o plano de Satanás: matar aqueles que Deus tirou do cativeiro!

Deus tem um plano glorioso para cada um de nós, mas, para vivê-lo, precisamos orar e vigiar! Satanás não quer que cheguemos à Terra Prometida.

Paulo fala que não devemos ignorar isso, porque aquele povo serve de exemplo para nós. Se a gente agir diferente, não teremos o fim que eles tiveram.

Os segredos para você não parecer no deserto:

1- Ser batizado com milagres e atravessar o Mar Vermelho (Êxodo 14.13 a 21)

O deserto não é o seu sepulcro, não é o sepulcro dos teus sonhos, da sua vida profissional, de sua vida espiritual, mas o deserto será para você o local onde a glória de Deus se manifestará.

2- Andar debaixo da nuvem (Êxodo 13.21, Salmo 91 e Mateus 16.19)

Aquela nuvem protegia o povo no deserto. Hoje, a nossa nuvem é a Igreja de Jesus Cristo, contra a qual o inferno não prevalece.

No período da noite, Deus colocou uma coluna de fogo!

O Senhor está colocando sobre a tua cabeça uma nuvem poderosa e gloriosa e ao seu redor, uma coluna de fogo.

3- Beber da rocha, que é Jesus Cristo (Êxodo 17: 6 e 7)

Paulo nos deixa também alguns conselhos para não sermos roubados:

1º Não seja rebelde!

Muitas vezes, você tem feito a tua vontade, sem ao menos se importar com a vontade de Deus.

Seja obediente ao que Deus tem na tua vida. Jesus foi obediente até a morte, e morte de cruz.

2º Não murmure (Isaías 53.7)

Por causa da murmuração e da ingratidão, aquele povo perdeu o milagre.

3º Não se precipite na hora da aflição e da pressão (1 Coríntios 10.13 e Habacuque 3.17)

Nada acontece da minha vida se não for da vontade de Deus. Ele não permite nada que eu não possa suportar.

Se você está em pé, cuide para que não caia. Você só não cai se tiver a certeza de que Deus está no controle da sua vida.

Confie no Senhor, fique firme! Este deserto não será o seu funeral, mas a passagem para um novo tempo.

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

A caverna não é o seu lugar!


1 Reis 19.9 a 16: “Ali, entrou numa caverna, onde passou a noite; e eis que lhe veio a palavra do SENHOR e lhe disse: Que fazes aqui, Elias? Ele respondeu: Tenho sido zeloso pelo SENHOR, Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derribaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e eu fiquei só, e procuram tirar-me a vida. Disse-lhe Deus: Sai e põe-te neste monte perante o SENHOR.

Eis que passava o SENHOR; e um grande e forte vento fendia os montes e despedaçava as penhas diante do SENHOR, porém o SENHOR não estava no vento; depois do vento, um terremoto, mas o SENHOR não estava no terremoto; depois do terremoto, um fogo, mas o SENHOR não estava no fogo; e, depois do fogo, um cicio tranquilo e suave.


Ouvindo-o Elias, envolveu o rosto no seu manto e, saindo, pôs-se à entrada da caverna. Eis que lhe veio uma voz e lhe disse: Que fazes aqui, Elias? Ele respondeu: Tenho sido em extremo zeloso pelo SENHOR, Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derribaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e eu fiquei só, e procuram tirar-me a vida. Disse-lhe o SENHOR: Vai, volta ao teu caminho para o deserto de Damasco e, em chegando lá, unge a Hazael rei sobre a Síria. A Jeú, filho de Ninsi, ungirás rei sobre Israel e também Eliseu, filho de Safate, de Abel-Meolá, ungirás profeta em teu lugar.”


Elias, assim como nós, teve experiências profundas com Deus. Mas, por causa de uma ameaça de Jezabel, ele fugiu para o deserto e se escondeu dentro de uma caverna no Monte Horebe.

Isso não algo incomum. Por causa das ameaças do inimigo e quando vivemos situações de calamidade, muitas vezes, nos escondemos em cavernas. Para nós, elas podem ser um lugar de dor, angustia, tristeza e, acima de tudo, de solidão.

Em qual caverna você tem se escondido? Na caverna da autocomiseração? Na caverna da Injustiça? Na caverna da rejeição? Você está se sentindo injustiçado? Você está se sentindo um rejeitado? Tudo isso Elias também sentiu. E nada disso o ajudou. Pelo contrário, ele estava cada vez mais mergulhado naquela depressão, a ponto de pensar em tirar a própria vida.

Esses sentimentos que você tem alimentado não vão te ajudar!

Em primeiro lugar, você precisa ouvir a voz de Deus nessa caverna e deixar de dar justificativas.

Deus perguntou: “O que você está fazendo nesta caverna?”. E ele deu uma série de desculpas.

Elias queria, diante de Deus, justificar sua fuga e covardia.

Em segundo lugar, deixe que o Senhor te mostre o caminho para sair desta caverna.

O caminho era identificar a presença de Deus. Em João 15, está escrito que, sem o Senhor, nada podemos fazer!

E, naquele momento em que Elias estava se justificando, veio a tempestade, mas Deus não estava presente! Veio o terremoto, mas Deus não estava presente. Veio o fogo, mas Deus não estava presente! Veio, então, o cicio tranquilo e suave, e Deus ali estava!

O Senhor estava ali para dizer: “A minha presença se manifesta quando você aquieta o seu coração!”.

Em terceiro lugar, saia da caverna de cabeça erguida!

Depois de sair da caverna, Elias recebeu algumas missões: “Vai, volta ao teu caminho para o deserto de Damasco e, em chegando lá, unge a Hazael rei sobre a Síria. A Jeú, filho de Ninsi, ungirás rei sobre Israel e também Eliseu, filho de Safate, de Abel-Meolá, ungirás profeta em teu lugar!”.

Há uma grande obra para ser realizada em sua vida. Mas, para isso, é necessário que você saia da caverna, coloque sua vida em movimento e ouça a voz de Deus!

Elias cumpriu o seu chamado, viu Jezabel sendo destruída e teve uma vida plena e abundante na presença do Senhor!

Hoje, assim como Elias, você vai sair desta caverna para viver um novo tempo!

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Não aceite ser mais um!


Lucas 13.6 a 9: “E passou a narrar esta parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha; e indo procurar fruto nela, e não o achou. Disse então ao viticultor: Eis que há três anos venho procurar fruto nesta figueira, e não o acho; corta-a; para que ocupa ela ainda a terra inutilmente? Respondeu-lhe ele: Senhor, deixa-a este ano ainda, até que eu cave em derredor, e lhe deite estrume; e se no futuro der fruto, bem; mas, se não, cortá-la-ás.”

Ser uma árvore sem frutos é o mesmo que ter uma vida sem propósito.

Com base neste texto, que mostra a dura realidade das pessoas que estão afastadas do seu chamado, eu gostaria de destacar alguns pontos importantes:

1- Você já notou que, desde que você deixou de ter sua vida enraizada em Cristo, você se tornou uma pessoa triste? Hoje, nada te satisfaz!

Isso acontece, porque você perdeu a alegria da salvação! Volte, porque o Senhor tem uma grande obra para realizar em você e através de você!

2- Por incrível que pareça, existem muitas pessoas que se contentam em apenas ocupar um espaço, mas não buscam fazer a diferença!

Não se contente em ter uma vida vazia, sem realizações!

3- Deus tem para você propósitos superiores!

Lembre-se de que Ele te criou para você florescer e frutificar!

 Não aceite ser mais uma árvore que não produz os frutos que o Senhor procura!

Salmo 1:3 “Pois será como a árvore plantada junto às correntes de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, e cuja folha não cai; e tudo quanto fizer prosperará”

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

Como desenvolver o dom de negociar?



Gênesis 18.20 a 33: “Disse mais o SENHOR: Com efeito, o clamor de Sodoma e Gomorra tem-se multiplicado, e o seu pecado se tem agravado muito. Descerei e verei se, de fato, o que têm praticado corresponde a esse clamor que é vindo até mim; e, se assim não é, sabê-lo-ei. Então, partiram dali aqueles homens e foram para Sodoma; porém Abraão permaneceu ainda na presença do SENHOR. E, aproximando-se a ele, disse: Destruirás o justo com o ímpio?

Se houver, porventura, cinqüenta justos na cidade, destruirás ainda assim e não pouparás o lugar por amor dos cinqüenta justos que nela se encontram? Longe de ti o fazeres tal coisa, matares o justo com o ímpio, como se o justo fosse igual ao ímpio; longe de ti. Não fará justiça o Juiz de toda a terra? Então, disse o SENHOR: Se eu achar em Sodoma cinqüenta justos dentro da cidade, pouparei a cidade toda por amor deles. Disse mais Abraão: Eis que me atrevo a falar ao Senhor, eu que sou pó e cinza.

Na hipótese de faltarem cinco para cinqüenta justos, destruirás por isso toda a cidade? Ele respondeu: Não a destruirei se eu achar ali quarenta e cinco. Disse-lhe ainda mais Abraão: E se, porventura, houver ali quarenta? Respondeu: Não o farei por amor dos quarenta. Insistiu: Não se ire o Senhor, falarei ainda: Se houver, porventura, ali trinta? Respondeu o SENHOR: Não o farei se eu encontrar ali trinta.

Continuou Abraão: Eis que me atrevi a falar ao Senhor: Se, porventura, houver ali vinte? Respondeu o SENHOR: Não a destruirei por amor dos vinte. Disse ainda Abraão: Não se ire o Senhor, se lhe falo somente mais esta vez: Se, porventura, houver ali dez? Respondeu o SENHOR: Não a destruirei por amor dos dez. Tendo cessado de falar a Abraão, retirou-se o SENHOR; e Abraão voltou para o seu lugar.”


Este texto nos mostra que coisas incríveis acontecem quando exercemos o dom de negociar!

A proposta do Prosperity Coaching é espiritual, mas também é comportamental. Hoje, com base neste texto, eu, Apóstolo Estevam, gostaria de destacar alguns pontos importantes.

Essa passagem já causou muitas discussões. Alguns defendem a ideia de que Abraão apenas intercedeu por seu sobrinho. Ao lê-lo, o que você concluiu? Abraão intercedeu ou negociou? Negociou!

Abraão estava interessado em preservar Ló e parte de sua família, pois eles estavam presos em Sodoma e Gomorra – as duas cidades estavam prestes a ser destruídas. A proposta inicial era de preservar as cidades se nelas houvesse 50 justos! No decorrer do diálogo, ele vai “adequando” sua proposta até, de fato, chegar ao sobrinho e seus outros parentes.

Na passagem, ainda está escrito que Abraão “se atreveu” a falar. Em todas as propostas, repare que Abraão não recebeu nenhuma resposta negativa.

Podemos ainda perceber que Abraão não foi direto ao assunto. Ele estava exercendo seu dom de negociar, mas não deixou de ser ousado.

Ele, na verdade, estava desenvolvendo sua capacidade persuasiva. Mas suas motivações estavam corretas. E, claro, isto foi fundamental para que ele alcançasse seu objetivo. Abraão não estava reivindicando seus interesses, mas os da família de Ló.

O fato é que Deus nos deu a capacidade de negociar, ou seja, de estrategicamente lutarmos por aquilo que queremos, sem precisar jogar sujo ou medir forças. E essa capacidade, muitas vezes, está adormecida dentro de nós! Muitas vezes, não sabemos utilizá-la com liberdade.

Um dos grandes motivos é o medo. Ele nos impede de ter comportamentos adequados diante de situações que podem ser mudadas se soubermos nos colocar da forma correta para interferir nelas.

Esse dom foi “inaugurado” por Abraão e recaiu sobre os judeus! Os judeus são conhecidos por serem grandes negociadores!  Mas quem disse que essa bênção também não está sobre nós?

E como adquirir esse dom? Existem diversas técnicas de negociação que muitas pessoas, inclusive, adotam em todos os seus relacionamentos, como a barganha. Eu, particularmente, não gosto deste método, pois gera muitas frustrações e coloca em xeque a credibilidade de quem as pratica. Precisamos ter consciência de que todos os negócios precisam ser bons para todas as partes.

Nós, assim como Abraão, negociamos com a perspectiva de receber uma solução. As pessoas estão em busca de uma solução para seus problemas. Para atendê-las, eu preciso conhecer suas necessidades. Assim, a plenitude deste dom se manifesta.

Mas, hoje, eu gostaria de destacar alguns passos que são essências para você adquirir essa habilidade, independente da área em que você atua.

1- Libertação de todas as prisões emocionais, como o medo e a timidez, para poder extrair o máximo possível das oportunidades!


Faça uma autoavaliação? Quantas oportunidades foram perdidas, pois não buscamos desenvolver esse dom?

Um grande exemplo desta afirmação está na Parábola dos Talentos, contada por Jesus Cristo.

Mateus 25.14 a 28: “Pois será como um homem que, ausentando-se do país, chamou os seus servos e lhes confiou os seus bens. A um deu cinco talentos, a outro, dois e a outro, um, a cada um segundo a sua própria capacidade; e, então, partiu. O que recebera cinco talentos saiu imediatamente a negociar com eles e ganhou outros cinco. Do mesmo modo, o que recebera dois ganhou outros dois. Mas o que recebera um, saindo, abriu uma cova e escondeu o dinheiro do seu senhor.

Depois de muito tempo, voltou o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles. Então, aproximando-se o que recebera cinco talentos, entregou outros cinco, dizendo: Senhor, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que ganhei. Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.

E, aproximando-se também o que recebera dois talentos, disse: Senhor, dois talentos me confiaste; aqui tens outros dois que ganhei. Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. Chegando, por fim, o que recebera um talento, disse: Senhor, sabendo que és homem severo, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste, receoso, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu.

Respondeu-lhe, porém, o senhor: Servo mau e negligente, sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei? Cumpria, portanto, que entregasses o meu dinheiro aos banqueiros, e eu, ao voltar, receberia com juros o que é meu. Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem dez.”

Em vez de buscar aprimorar sua habilidade de negociação, o servo que recebeu um talento preferiu enterrá-lo. Qual foi a consequência? No final, ficou sem nada!

Um mau negociador despreza e enterra suas oportunidades!

Precisamos ter consciência de que as oportunidades também precisam ser conquistadas! Seja multiplicador, em vez de limitador!

2- Ser atento, em vez de acomodado ou precipitado!


Gênesis 40.6 a 15: “Vindo José, pela manhã, viu-os, e eis que estavam turbados. Então, perguntou aos oficiais de Faraó, que com ele estavam no cárcere da casa do seu senhor: Por que tendes, hoje, triste o semblante? Eles responderam: Tivemos um sonho, e não há quem o possa interpretar. Disse-lhes José: Porventura, não pertencem a Deus as interpretações? Contai-me o sonho. Então, o copeiro-chefe contou o seu sonho a José e lhe disse: Em meu sonho havia uma videira perante mim.

E, na videira, três ramos; ao brotar a vide, havia flores, e seus cachos produziam uvas maduras. O copo de Faraó estava na minha mão; tomei as uvas, e as espremi no copo de Faraó, e o dei na própria mão de Faraó. Então, lhe disse José: Esta é a sua interpretação: os três ramos são três dias; dentro ainda de três dias, Faraó te reabilitará e te reintegrará no teu cargo, e tu lhe darás o copo na própria mão dele, segundo o costume antigo, quando lhe eras copeiro.

Porém lembra-te de mim, quando tudo te correr bem; e rogo-te que sejas bondoso para comigo, e faças menção de mim a Faraó, e me faças sair desta casa; porque, de fato, fui roubado da terra dos hebreus; e, aqui, nada fiz, para que me pusessem nesta masmorra.”

José teria apodrecido na cadeia se fosse precipitado e não estivesse atento a uma negociação que salvaria sua vida!

Aquela negociação o tirou da prisão e o levou ao topo!

3- Ser ousado!


Ser ousado não é ser aventureiro ou imprudente, é preparar-se bem para realizar de forma inusitada novos projetos! É criar oportunidades!

3- Ser estratégico e perseverante!

Lucas 11.9: “E eu vos digo a vós: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á...”

Gênesis 30.27 a 43: “Labão lhe respondeu: Ache eu mercê diante de ti; fica comigo. Tenho experimentado que o SENHOR me abençoou por amor de ti. E disse ainda: Fixa o teu salário, que te pagarei. Disse-lhe Jacó: Tu sabes como te venho servindo e como cuidei do teu gado. Porque o pouco que tinhas antes da minha vinda foi aumentado grandemente; e o SENHOR te abençoou por meu trabalho. Agora, pois, quando hei de eu trabalhar também por minha casa?

Então, Labão lhe perguntou: Que te darei? Respondeu Jacó: Nada me darás; tornarei a apascentar e a guardar o teu rebanho, se me fizeres isto: Passarei hoje por todo o teu rebanho, separando dele os salpicados e malhados, e todos os negros entre os cordeiros, e o que é malhado e salpicado entre as cabras; será isto o meu salário. Assim, responderá por mim a minha justiça, no dia de amanhã, quando vieres ver o meu salário diante de ti; o que não for salpicado e malhado entre as cabras e negro entre as ovelhas, esse, se for achado comigo, será tido por furtado.

Disse Labão: Pois sim! Seja conforme a tua palavra. Mas, naquele mesmo dia, separou Labão os bodes listados e malhados e todas as cabras salpicadas e malhadas, todos os que tinham alguma brancura e todos os negros entre os cordeiros; e os passou às mãos de seus filhos. E pôs a distância de três dias de jornada entre si e Jacó; e Jacó apascentava o restante dos rebanhos de Labão. Tomou, então, Jacó varas verdes de álamo, de aveleira e de plátano e lhes removeu a casca, em riscas abertas, deixando aparecer a brancura das varas, as quais, assim escorchadas, pôs ele em frente do rebanho, nos canais de água e nos bebedouros, aonde os rebanhos vinham para dessedentar-se, e conceberam quando vinham a beber.

E concebia o rebanho diante das varas, e as ovelhas davam crias listadas, salpicadas e malhadas. Então, separou Jacó os cordeiros e virou o rebanho para o lado dos listados e dos pretos nos rebanhos de Labão; e pôs o seu rebanho à parte e não o juntou com o rebanho de Labão. E, todas as vezes que concebiam as ovelhas fortes, punha Jacó as varas à vista do rebanho nos canais de água, para que concebessem diante das varas. Porém, quando o rebanho era fraco, não as punha; assim, as fracas eram de Labão, e as fortes, de Jacó. E o homem se tornou mais e mais rico; teve muitos rebanhos, e servas, e servos, e camelos, e jumentos.”


Jacó foi um dos maiores negociadores dos tempos bíblicos! Em vez de pedir um “salário fixo”, ele preferiu receber de acordo com o que era produzido. Buscou estratégias para alcançar seus objetivos e não desistiu, mesmo diante das manobras de Labão.

Deixe as crenças limitadoras de lado! Lute pelos seus direitos!

A mesma bênção e sabedoria que havia em Jacó estão sobre nós! Peça para que o Senhor desperte este dom em você! Que, a partir de hoje, as oportunidades que chegarem em suas mãos sejam transformadas em grandes realizações!

Serviço:
Prosperity Coaching
Data: às segundas-feiras
Horário: 20 horas
Local: Todas as Igrejas Renascer em Cristo
Endereço da sede internacional: Rua Dr. Almeida Lima, 1.290 – Mooca

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Paz em meio às perseguições


João 16. 25 a 33: “Estas coisas vos tenho dito por meio de figuras; vem a hora em que não vos falarei por meio de comparações, mas vos falarei claramente a respeito do Pai. Naquele dia, pedireis em meu nome; e não vos digo que rogarei ao Pai por vós. Porque o próprio Pai vos ama, visto que me tendes amado e tendes crido que eu vim da parte de Deus. Vim do Pai e entrei no mundo; todavia, deixo o mundo e vou para o Pai.

Disseram os seus discípulos: Agora é que falas claramente e não empregas nenhuma figura. Agora, vemos que sabes todas as coisas e não precisas de que alguém te pergunte; por isso, cremos que, de fato, vieste de Deus. Respondeu-lhes Jesus: Credes agora? Eis que vem a hora e já é chegada, em que sereis dispersos, cada um para sua casa, e me deixareis só; contudo, não estou só, porque o Pai está comigo. Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.”

No final de sua jornada com os apóstolos, Jesus fala: "Eu vou para o meu Pai. Vocês vão pedir em meu nome, e Ele atenderá. Vocês terão uma linha direta com o Senhor. Vocês serão marcados como aqueles que se relacionam com o Deus vivo! Agora, eu estou convosco, mas vos deixarei. Vocês serão dispersos, depois da minha partida!".

Jesus os estava preparando, pois eles enfrentariam muitas perseguições, perseguições que sempre fizeram parte da história do cristianismo.

O mundo ficou chocado quando 21 cristãos foram decapitados pelo Estado Islâmico. As últimas palavras de alguns daqueles homens foram: “Senhor Jesus Cristo!”.

O Messias nos ensinou que, quando somos perseguidos em Seu nome, somos bem-aventurados.

O irmão de dois daqueles cristãos decapitados afirmou: “Eles me fazem andar de cabeça erguida, orgulhoso! O EI deu mais do que pedimos ao não cortar da edição do vídeo a parte que eles declaravam sua fé e clamavam por Jesus Cristo. Isso fortaleceu a nossa fé!”.

Muitos perguntam: “Por que tanto ódio? Por que tanta crueldade?”.

A verdade é que o inimigo tem ódio porque a solução da humanidade está no evangelho de Jesus Cristo. O evangelho traz salvação e a vida eterna!

Jesus também fala sobre os últimos dias, que são aqueles que nós estamos vivendo. O Senhor afirmou que, neles, nós presenciaríamos guerras, terremotos e muitas situações de dificuldade. O homem está se degradando, e a natureza está sofrendo. Estes são sinais de que Jesus está voltando.

Ele voltará com poder e grande glória. Todos os olhos verão e todas as línguas confessarão que Ele é o Senhor.

Nós temos que ficar atentos com estas situações de perseguição, com os sinais da natureza e com o estado deplorável que a humanidade se encontra.

Não precisamos ir muito longe para perceber isso. Aqui, no centro de São Paulo, por exemplo,  temos a Cracolândia, um lugar marcado pela destruição. Este local mostra o poder degradante das drogas. Ali, nós vemos pessoas que foram, literalmente, descartadas pela sociedade.

Por fim, mesmo mostrando as situações difíceis que enfrentaríamos, Jesus nos enche de esperanças e convicções: “No mundo, tereis aflições, mas tende bom ânimo, Eu venci o mundo!”.

Tenha bom ânimo porque Ele já venceu essa enfermidade. Tenha bom ânimo, porque, n’Ele, somos mais que vencedores. Tenha bom ânimo porque o céu não está em crise.

Renove as tuas forças porque o Senhor e contigo! Permaneça firme n’Ele e em Suas promessas, porque o mal não te tocará!