quarta-feira, 29 de abril de 2020

O primeiro milagre de Jesus


João 2. 1 a 12: “Três dias depois, houve um casamento em Caná da Galiléia, achando-se ali a mãe de Jesus. Jesus também foi convidado, com os seus discípulos, para o casamento. Tendo acabado o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles não têm mais vinho. Mas Jesus lhe disse: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora. 

Então, ela falou aos serventes: Fazei tudo o que ele vos disser. Estavam ali seis talhas de pedra, que os judeus usavam para as purificações, e cada uma levava duas ou três metretas. Jesus lhes disse: Enchei de água as talhas. E eles as encheram totalmente. 

Então, lhes determinou: Tirai agora e levai ao mestre-sala. Eles o fizeram. Tendo o mestre-sala provado a água transformada em vinho (não sabendo donde viera, se bem que o sabiam os serventes que haviam tirado a água), chamou o noivo e lhe disse: Todos costumam pôr primeiro o bom vinho e, quando já beberam fartamente, servem o inferior; tu, porém, guardaste o bom vinho até agora.”

Jesus era um dos convidados daquele casamento que aconteceu em Caná, perto de Nazaré. Na hora da festa, Ele se depara como uma fatalidade: o vinho acaba, deixando os organizadores do evento e os noivos desesperados. A falta de vinho poderia levar aquela festa ao fracasso. Era uma situação, humanamente falando, sem saída.  

Maria, então, de uma forma precipitada, conta a situação para Jesus, que, por sua vez, mostrou para ela que a situação estava sob controle: “Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora!”.  

Depois daquela resposta, Maria se posiciona como uma serva de Deus e comunica a todos “Façam tudo o que Ele disser!”. É exatamente sobre isso que eu quero falar com vocês através deste texto.  

Você tem feito tudo o que o Senhor determina? Você tem se prontificado a agir da maneira que Ele espera? Você tem seguido os preceitos da Palavra? Você é luz do mundo e sal da terra? 

Sabe o que impede muitas pessoas de viverem o milagre? A dureza de coração! Elas querem que tudo aconteça do jeito delas e no tempo delas! Mas o segredo para sermos vitoriosos está em seguir a Palavra de Deus, está em fazer o que Jesus Cristo determina. 

Após aquela conversa, chegou a hora do Senhor Jesus inaugurar um tempo de milagres.  

A palavra que eu tenho para você hoje é: Chegou a hora de Cristo! Chegou a hora de Cristo agir no seu casamento. Chegou a hora de Ele transformar sua história! É chegada a hora de Cristo nos problemas, aos nossos olhos, insolúveis. É chegada a hora de Cristo nas áreas que estão destruídas.  

Quando chega a hora de Cristo, acontece o sobrenatural. Quando chega a hora de Cristo, se manifesta o poder da transformação! 

2 Coríntios 5.17: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.”

Para que Deus transforme todas as áreas da sua vida, é necessário que você entregue para Ele as talhas: a talha da dor, a talha da decepção, a talha do abandono, a talha do desespero, a talha da enfermidade, a talha da destruição...  

O Senhor transformará todas estas situações. E aqueles que se alimentaram da sua desgraça vão se alimentar da sua vitória! Aqueles que se alimentaram do seu choro vão se alimentar do seu riso. Aqueles que se alimentaram do seu desespero vão se alimentar da sua esperança. 

Salmos 37.5: “Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e Ele o fará.”

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Reconciliados em Cristo!


2 Coríntios 5.18 a 21: “Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação.

De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus. Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus.”

Nós somos fruto de uma ruptura. Espiritualmente, houve uma ruptura quando o pecado entrou na vida do homem.

O profeta Isaías fala que o pecado causa separação entre nós e Deus.

Essa ruptura seria definitiva se não houvesse o sacrifício de Cristo na cruz do Calvário. O sacrifício de Cristo nos reconciliou. Só que nós, muitas vezes, não temos plena consciência disso. Muitas pessoas, infelizmente, não entendem o que é salvação e o que é reconciliação.

A salvação é alcançada pela graça, conforme está escrito em Efésios 2.8: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus.”. Já a reconciliação deve ser conquistada por nós.

Na passagem que lemos no início estudo, Paulo aborda algumas questões importantes. Vou enumerá-las:

Em primeiro lugar, a reconciliação é um ministério.

Nós precisamos exercitar este ministério. Como? Tendo consciência de que precisamos nos reconciliar com nossa identidade espiritual. Você precisa se reconciliar com o ser que Deus criou.

Esta reconciliação passa por um estado de consciência pessoal. Você não é uma pessoa deformada, destruída, acabada e falida. Você é a pessoa que Deus desejou, planejou e amou!

Reconcilie-se com essa verdade. Desta forma, você deixará de ser problemático, confuso, depressivo e complexado. Desta forma, você será uma pessoa bem resolvida.

Em segundo lugar, Paulo fala que somos reconciliados em Cristo.

Quando o pecado entrou, o homem perdeu a condição de acesso livre a Deus. Mas, em Cristo, este acesso foi retomado, e nós passamos a viver Efésios 1.3: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo.”.

O que nos afasta desta condição sãos os conflitos interiores, ou seja, quando não achamos que somos dignos de viver as bênçãos espirituais. Quando deixamos este sentimento entrar, automaticamente, ficamos desconectados com o que está escrito nas Escrituras.

Em terceiro lugar, que precisamos nos reconciliar com o nosso chamado.

Em João 15.16, Jesus disse: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda.”.

Se você ignora o teu chamado, então, você está rompido com ele. Isso te torna uma pessoa estéril.

Você precisa se reconciliar com o seu chamado, porque a tua felicidade, o teu bem estar e a tua paz estão condicionados a você cumprir o que Deus determinou.

Não aceite ter uma vida sem propósitos. O Senhor tem um espaço para você na obra d’Ele. Ele tem uma missão para você.


O Senhor quer te reconciliar também com a paz, com a alegria e com a vontade d’Ele. Assim, consequentemente, você se reconciliará com as pessoas que estão ao seu redor.

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Quando nos sentimos isolados e abandonados...


Sofonias 3.18 a 20: “Os que estão entristecidos por se acharem afastados das festas solenes, eu os congregarei, estes que são de ti e sobre os quais pesam opróbrios.

Eis que, naquele tempo, procederei contra todos os que te afligem; salvarei os que coxeiam, e recolherei os que foram expulsos, e farei deles um louvor e um nome em toda a terra em que sofrerem ignomínia.

Naquele tempo, eu vos farei voltar e vos recolherei; certamente, farei de vós um nome e um louvor entre todos os povos da terra, quando eu vos mudar a sorte diante dos vossos olhos, diz o SENHOR.”

Nesta passagem, o Senhor trata de três palavras sérias, que eu gostaria de compartilhar hoje com vocês:

1- Opróbrio (vergonha continua)


Se você está em uma situação de vergonha, de tristeza... se você foi afastado das festas solenes, o Senhor vai cessar este tempo na sua vida.

Talvez, você esteja afastado das festas, porque não tem mais perspectivas e seu coração está desesperado. Anime-se no Senhor, porque Ele tem um caminho. Ele vai te trazer de volta.

Se você está recluso e longe de quem você ama, o Senhor vai restaurar a sua alegria.

Neemias 8.10 “... A alegria do Senhor é a nossa força.”

2ª Ignominia (maldição, humilhação, degradação...)

Se você foi humilhado, tirado de uma posição (familiar, ministerial, profissional...) e está em uma situação, aos olhos humanos, irreversível, o Senhor tem para você a restituição.

Zacarias 9.12 “Voltai à fortaleza, ó presos de esperança; também, hoje, vos anuncio que tudo vos restituirei em dobro.”

3ª Mudança se sorte

O Senhor tem um tempo de transformação para a tua vida! Ele vai liberar os caminhos e te conduzir em triunfo. Ele vai mudar a sua sorte diante dos seus olhos, ainda que pareça impossível.

Esta palavra é profética. Foi colocada por Deus na boca de um homem, para se transformar em promessas.

Entre todos da terra, o Senhor te fará um nome e um louvor!

É tempo de restauração de forças, alegria e motivações.

Creia nesta Palavra. Não deixe que ela volte vazia. Hoje, o Senhor te fala: “Eu não te abandonei. Eu quero fazer uma obra em sua vida!”.

Se você foi roubado e afastado dos caminhos do Senhor por causa de enfermidade, fofoca, drogas, esfriamento espiritual..., tome a melhor decisão da sua vida: volte!

O seu lugar não é esse ambiente de dor; é assentado com Cristo, acima de potestades, principados e dominadores.

quarta-feira, 22 de abril de 2020

O que tem dividido sua família?


“Então, ele foi para casa. Não obstante, a multidão afluiu de novo, de tal modo que nem podiam comer. E, quando os parentes de Jesus ouviram isto, saíram para o prender; porque diziam: Está fora de si. Os escribas, que haviam descido de Jerusalém, diziam: Ele está possesso de Belzebu.

E: É pelo maioral dos demônios que expele os demônios. Então, convocando-os Jesus, lhes disse, por meio de parábolas: Como pode Satanás expelir a Satanás? Se um reino estiver dividido contra si mesmo, tal reino não pode subsistir; se uma casa estiver dividida contra si mesma, tal casa não poderá subsistir. Se, pois, Satanás se levantou contra si mesmo e está dividido, não pode subsistir, mas perece. Ninguém pode entrar na casa do valente para roubar-lhe os bens, sem primeiro amarrá-lo; e só então lhe saqueará a casa.

Em verdade vos digo que tudo será perdoado aos filhos dos homens: os pecados e as blasfêmias que proferirem. Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não tem perdão para sempre, visto que é réu de pecado eterno. Isto, porque diziam: Está possesso de um espírito imundo.”

É impressionante essa narrativa de Marcos, que descreve o momento em que Jesus estava orando com seus discípulos no monte e os enviando para que eles fossem – com autoridade – levar o evangelho para outras cidades. O povo também estava ouvindo os direcionamentos do Senhor.

Hoje, eu gostaria de destacar algo que me chamou muita a atenção neste capítulo.

Naquele momento em que Jesus estava exercendo o seu ministério, os parentes d’Ele, tomados por um sentimento maligno, foram em sua direção para prendê-lo. Eles alegavam que Jesus estava fora de si.

É claro que os fariseus e os escribas se aproveitaram daquela situação para levantar mais calúnias contra o Messias. Eles, inclusive, tiveram a audácia de dizer que Jesus expulsava demônios em nome de Belzebu.

Mas, obviamente, Jesus os colocou em seu devido lugar: “Vocês não sabem o que estão dizendo. Como eu poderia expulsar Satanás em nome do próprio Satanás?”.

Naquele momento de confusão, Ele estabelece o princípio da unidade: “A casa divida não prospera!”.

Jesus já havia ensinado que, muitas vezes, os nossos inimigos serão os da nossa própria casa. O motivo? Sentimentos destrutivos que, sutilmente, invadem os corações, como a inveja, a rejeição, o ódio, á mágoa...  Sentimentos que formam um campo fértil para o inimigo implantar a divisão. Por isso, existem tantos conflitos entre pais e filhos, entre irmãos, entre marido e mulher, entre nora e sogra, entre cunhados... Conflitos que, muitas vezes, viram até caso de polícia.

Hoje, eu quero denunciar algumas atitudes e comportamentos que têm dividido muitas famílias:

1- O conflito de interesses

O egoísmo tem dividido muitos lares e tem afastado muitas pessoas do Senhor. Muitas têm buscado a bênção, em vez de buscar o Deus da bênção.

Outro ponto importante que não podemos esquecer é que nós não somos o centro de nossas casas. Por isso, devemos lutar pelo bem comum. 

2- Quando eu abro meus ouvidos e o meu coração para os “conselhos” da serpente

Quando damos ouvimos ao inimigo, abrimos um caminho para a rebeldia e para a desobediência. Quando Satanás consegue dividir os seus sentimentos, consequentemente, seus comportamentos mudam.

No teu casamento, no teu trabalho, no teu ministério, se houver divisão de sentimentos, não vai existir prosperidade, porque a prosperidade só se manifesta na unidade. Por isso que nós precisamos amarrar o valente.

3- Inconsequência

Jesus Cristo nos deixa um alerta: “Quando nós pecamos contra o Espírito Santo, este pecado é eterno!”. Isso é muito profundo, porque todos os pecados são temporais, desde os coloquemos debaixo do sangue do cordeiro.

Quando o colocamos debaixo do sangue, há a remição. Se há remissão, ele não existe mais, não há mais condenação. Mas o pecado contra o Espírito Santo é um pecado eterno e imperdoável.

O inimigo luta dia e noite para que você fique com o sentimento dividido e peque contra o Espírito Santo. Desta forma, ele te condenará à morte eterna.

Como pecamos contra o Espírito Santo?  Quando atribuímos a demônios aquilo que é a obra de Deus. É você julgar homens de Deus. É você se levantar contra a obra de Deus. É você se rebelar contra o Espírito Santo. É você extingui-lo e impedir Sua ação.

Então, esta a Palavra de Deus ao seu coração: Reposicione-se, vigie e ore para que você tenha autoridade contra o espírito de divisão! Lute para que o seu coração não seja um campo fértil para a manifestação desta malignidade.

Eles tentaram parar Jesus, tentaram prendê-lo, tentaram destruir sua obra. Só que a obra não pode ser destruída, porque ela pertence a Deus. Não impeça mais a ação d’Ele.


O Senhor quer realizar uma grande obra em sua vida e, consequentemente, na sua casa! 

sexta-feira, 17 de abril de 2020

Apenas, confie!


Salmo 125: “Os que confiam no SENHOR são como o monte Sião, que não se abala, firme para sempre. Como em redor de Jerusalém estão os montes, assim o SENHOR, em derredor do seu povo, desde agora e para sempre. O cetro dos ímpios não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda a mão à iniquidade.

Faze o bem, SENHOR, aos bons e aos retos de coração. Quanto aos que se desviam para sendas tortuosas, levá-los-á o SENHOR juntamente com os malfeitores. Paz sobre Israel!”

Nós temos a tendência de confiar em quem ou no que não devemos!

Existem pessoas que preferem confiar no dinheiro, no poder, no emprego, em amizades levianas, em relacionamentos abusivos, ou seja, em estruturas falíveis, do que confiar em Deus.

Quando deixamos de confiar no Senhor, ainda que levemente e temporariamente, colocamo-nos em uma situação de vulnerabilidade.

Existem duas formas de nos relacionarmos: confiando ou desconfiando. Muitas vezes, não queremos admitir que desconfiamos de Deus! Às vezes, até acreditamos que Ele existe, mas não acreditamos que Ele pode ou que Ele se importa. Isso é o mesmo que desconfiar.

Davi, que era um homem segundo o coração de Deus e de muitas conquistas, afirma que aqueles que confiam no Senhor possuem uma força extra para superar qualquer dificuldade.

Ele compara aqueles que confiam em Deus ao Monte de Sião. Em outras palavras, ele afirma que aqueles que confiam no Senhor são inabaláveis. Os montes suportam o frio, o sol escaldante, os terremotos e as mais terríveis tempestades. Depois de milhares de anos, o Monte de Sião continua intacto!

Para que não sejamos levados pelos ventos contrários, a nossa confiança precisa estar no imutável e no indestrutível, ou seja, no Senhor.

Malaquias 3.6: “Porque eu, o SENHOR, não mudo; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos.”

Mateus 24.35: “Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão.”


Limpe o seu coração, levante-se e volte a confiar, porque sua esperança n´Ele jamais será frustrada. 

quinta-feira, 16 de abril de 2020

As promessas do Salmo 112



Salmo 112: “Aleluia! Bem-aventurado o homem que teme ao SENHOR e se compraz nos seus mandamentos. A sua descendência será poderosa na terra; será abençoada a geração dos justos. Na sua casa há prosperidade e riqueza, e a sua justiça permanece para sempre. Ao justo, nasce luz nas trevas; ele é benigno, misericordioso e justo.

Ditoso o homem que se compadece e empresta; ele defenderá a sua causa em juízo; não será jamais abalado; será tido em memória eterna. Não se atemoriza de más notícias; o seu coração é firme, confiante no SENHOR. O seu coração, bem firmado, não teme, até ver cumprido, nos seus adversários, o seu desejo.

Distribui, dá aos pobres; a sua justiça permanece para sempre, e o seu poder se exaltará em glória. O perverso vê isso e se enraivece; range os dentes e se consome; o desejo dos perversos perecerá.”

O que podemos interpretar deste lindo Salmo é que bem-aventurado é o homem que teme ao Senhor e se alegra n’Ele, ou seja, não é o homem que tem medo de Deus. É o homem que tem respeito, que tem consciência da grandiosidade do Senhor e se aproxima d’Ele.

Eu sou um homem temente a Deus, e isso me traz alegria. Ter o Senhor na minha vida me torna feliz, forte, motivado e esperançoso.

Nesta passagem, o salmista destaca tantas promessas do Senhor. É algo realmente muito profundo! Por isso, eu vou enumerar e contextualizar algumas delas para você:

Primeira bênção: A sua descendência será poderosa e abençoada na terra. Os seus filhos não serão massa de manobra nas mãos do inimigo. Os seus filhos não terão um futuro determinado pelas drogas, pelo álcool e pela prostituição.

Segunda bênção: Ao justo, nasce luz nas trevas! Ele se compadece. Ele não toma emprestado. Na sua casa, há abundância, há prosperidade.

Terceira bênção: O justo tem o coração firme, e ele não teme más notícias. Ele não é abalado pelas circunstâncias e pelas adversidades. Ele não fica instável porque recebeu ou deixou de receber um milagre. Ele é inabalável, ou seja, nada poder separá-lo do amor de Deus.

Filipenses 4.19: “E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades.”

Quarta bênção: Distribui, dá aos pobres; a sua justiça permanece para sempre, e o seu poder se exaltará em glória. É próspero, generoso e não se abala com as injustiças, porque sabe que o Senhor está no controle e que, através da vida dele, o Senhor manifestará Sua glória. 

Romanos 1.17: “Porque no evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé, como está escrito: ‘O justo viverá pela fé’.”

Salmos 37.5: “Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e Ele o fará.”

quarta-feira, 15 de abril de 2020

No vale de ossos secos!


Ezequiel 37.1 a 10: “Veio sobre mim a mão do SENHOR; ele me levou pelo Espírito do SENHOR e me deixou no meio de um vale que estava cheio de ossos, e me fez andar ao redor deles; eram mui numerosos na superfície do vale e estavam sequíssimos. Então, me perguntou: Filho do homem, acaso, poderão reviver estes ossos? Respondi: SENHOR Deus, tu o sabes. 

Disse-me ele: Profetiza a estes ossos e dize-lhes: Ossos secos, ouvi a palavra do SENHOR. Assim diz o SENHOR Deus a estes ossos: Eis que farei entrar o espírito em vós, e vivereis. Porei tendões sobre vós, farei crescer carne sobre vós, sobre vós estenderei pele e porei em vós o espírito, e vivereis. E sabereis que eu sou o SENHOR. Então, profetizei segundo me fora ordenado; enquanto eu profetizava, houve um ruído, um barulho de ossos que batiam contra ossos e se ajuntavam, cada osso ao seu osso.

Olhei, e eis que havia tendões sobre eles, e cresceram as carnes, e se estendeu a pele sobre eles; mas não havia neles o espírito. Então, ele me disse: Profetiza ao espírito, profetiza, ó filho do homem, e dize-lhe: Assim diz o SENHOR Deus: Vem dos quatro ventos, ó espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. Profetizei como ele me ordenara, e o espírito entrou neles, e viveram e se puseram em pé, um exército sobremodo numeroso.”

Deus deu uma tremenda visão profética a Ezequiel. A visão era o estado espiritual do povo de Israel, que estava destruído pelo pecado e pelas malignidades. Eles realmente precisavam receber uma porção espiritual para conhecer o poder da ressurreição.

Com base nesta passagem:

Em primeiro lugar, precisamos entender que é necessário renascer todos os dias.

Em Romanos 8.11, está escrito: “Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita.”.

O que Paulo quis dizer? Que, todos os dias, precisamos nos encher do Espírito Santo de Deus. Precisamos nos encher deste poder. Este poder que nos levanta, que nos dá perspectivas de um futuro glorioso, que tira todas as confusões das nossas mentes e que nos impede de chegar ao estado que estava aquele vale que Ezequiel enxergou.

Aqueles ossos estavam sequíssimos e destruídos. Com certeza, virariam pó. Mas havia uma saída, uma solução: o poder da ressurreição. E ele precisa estar presente em nós!

Em segundo lugar, precisamos ter fé!

O profeta estava diante de um vale de ossos secos. Talvez, essa seja a visão que você tenha de muitas áreas da sua vida! Pode ser que, para você, não tenha mais jeito!

Mas o Senhor ouve o teu choro, o teu clamor, olha para você e pergunta: "Você crê que todos estes ossos podem renascer? Você crê na transformação deste cenário?".

Qual será a sua resposta? Pense muito bem, pois ela vai determinar o final desta história!
Eu sei que a resposta de Ezequiel foi: “Senhor, Tu sabes, Tu podes, e eu creio! Eu creio que Tu podes realizar o impossível!”.

Depois de ouvir aquela resposta carregada de fé, o Senhor diz a ele: “Já que você crê, profetize!”.

Você está chorando, mas continua crendo no poder transformador do Senhor? Então, profetize! Está difícil? Profetize! Clame ao Senhor, porque haverá uma revolução!

Depois do posicionamento de Ezequiel, os ossos começaram a se juntar, tendões se juntaram com tendões... a pele começou a se regenerar... os músculos... os corpos recuperam sua forma... A transformação foi completa!

Daquele vale de ossos secos, surgiu um grande exército, e o Senhor mostrou que a glória da segunda casa é maior do que a da primeira, porque Ele continua dizendo ao profeta: “Este é o povo de Israel, e vocês saberão que eu sou Deus, quando Eu abrir as vossas sepulturas!”.

Há uma mensagem profética grandiosa neste milagre: Deus vai colocar as coisas da sua vida em ordem, pelo poder da ressurreição.

Hoje, o Senhor está abrindo todas as sepulturas, está enxugando as lágrimas dos seus olhos e está realizando uma grande restauração!

Creia, profetize e você verá, destas áreas que estavam mortas em sua vida, surgir um grande milagre.
1 Coríntios 2.9: “Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.”.

segunda-feira, 13 de abril de 2020

Inabalável como o Monte de Sião


Salmos 125: “Os que confiam no SENHOR são como o monte Sião, que não se abala, firme para sempre. Como em redor de Jerusalém estão os montes, assim o SENHOR, em derredor do seu povo, desde agora e para sempre. O cetro dos ímpios não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda a mão à iniquidade.

Faze o bem, SENHOR, aos bons e aos retos de coração. Quanto aos que se desviam para sendas tortuosas, levá-los-á o SENHOR juntamente com os malfeitores. Paz sobre Israel!”

A perspectiva da visão de um monte enche os nossos olhos! São lugares elevados, lugares que nos dão uma visão ampla e privilegiada!

Nesta passagem, fazendo uma alusão aos montes, Davi nos deixa alguns segredos espirituais. Um deles é que, independente de qualquer situação, devemos confiar incondicionalmente no Senhor.

Em quem você tem confiado? Você tem confiado nas suas amizades, na sua posição social, no seu potencial e em promessas humanas? Se a resposta for “sim”, sinto muito, mas você está fadado a viver uma grande frustração.

Querido, os que esperam em Deus são como o Monte de Sião. Nós somos roubados quando mudamos a direção da nossa confiança.

Salmos 37.5: “Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará.”

Davi nos mostra que o Senhor tem uma proteção para nós. O Monte de Sião está localizado em Jerusalém. Jerusalém é uma cidade murada!

Aqueles muros intimidavam os inimigos, e os montes davam a Davi uma visão estratégica para as batalhas. Mas, apesar de tudo isso, ele sabia que possuía uma segurança superior. É uma segurança que não vem de armamentos, de um grande exército ou, até mesmo, uma posição de honra.

Salmo 127.1: “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela.”

Nós somos guardados pelo sangue do Cordeiro, nós somos envolvidos por Sua proteção. E esta proteção não é somente física, mas espiritual, porque Satanás anda ao nosso derredor, rugindo como um leão e buscando a quem possa tragar (1 Pedro 5.8).

1 João 5.18: “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o Maligno não lhe toca.”

Quando eu tenho consciência de que, haja o que houver, estou protegido pelo Deus Todo-Poderoso os medos desaparecem.

Querido, você tem uma torre forte, um Deus forte! É Ele quem te ampara e te sustenta! Confie, porque Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre!

No último versículo, Davi escreve: “Paz sobre Israel!”. Que o Senhor inaugure um tempo de paz na sua vida! Nele, sua fé jamais será envergonhada!

sexta-feira, 10 de abril de 2020

As últimas palavras de Jesus Cristo


João 16.25 a 33: “Estas coisas vos tenho dito por meio de figuras; vem a hora em que não vos falarei por meio de comparações, mas vos falarei claramente a respeito do Pai. Naquele dia, pedireis em meu nome; e não vos digo que rogarei ao Pai por vós. Porque o próprio Pai vos ama, visto que me tendes amado e tendes crido que eu vim da parte de Deus.  Vim do Pai e entrei no mundo; todavia, deixo o mundo e vou para o Pai.

Disseram os seus discípulos: Agora é que falas claramente e não empregas nenhuma figura. Agora, vemos que sabes todas as coisas e não precisas de que alguém te pergunte; por isso, cremos que, de fato, vieste de Deus. Respondeu-lhes Jesus: Credes agora? Eis que vem a hora e já é chegada, em que sereis dispersos, cada um para sua casa, e me deixareis só; contudo, não estou só, porque o Pai está comigo. Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.”

Nesta passagem, o Senhor Jesus fala aos apóstolos suas palavras finais. Durante sua trajetória na terra, em algumas ocasiões, Ele os ensinava por meio de parábolas e figuras de linguagem. Quando os discípulos não entendiam, Jesus lhes explicava.

Nestes dias que antecedem a Páscoa, eu quero destacar alguns pontos importantes:

Em primeiro lugar, naquele momento de “despedida” – coloquei entre aspas porque, afinal de contas, Jesus nunca os desamparou. Ele só não estaria mais perto deles como um humano –, Jesus disse: “Eu estou partindo para o Pai. Eu estou, fisicamente, saindo do mundo!”.

Este era o momento crucial para que eles pudessem adquirir maturidade. Deus quer que sejamos maduros, que sejamos marcados e experientes.

Existem muitos personagens na Bíblia que precisavam ter uma experiência que os deixassem mais maduros. Isaías, por exemplo, no capítulo 6, era apenas um menino que dependia do rei Uzias. Em função de sua imaturidade, ele se sentia incapaz. Mas o Senhor o marcou com a brasa viva. Depois daquela experiência, houve uma transformação profunda. Aquela criança imatura, insegura e cheia de variações comportamentais se torna um homem firme, íntegro e um dos maiores profetas messiânico da Bíblia. A partir daquele momento, ele se colocou à disposição de Deus.

Em 1 Coríntios 13.11, Paulo fala: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino.”.

Muitas vezes, temos sofrido no ministério por causa da imaturidade. Os casamentos têm sofrido por causa da imaturidade. A vida profissional de muitos está em crise por causa da imaturidade. Sabe por quê? Porque o imaturo é inconsistente.

Uma aliança só pode ser preservada com maturidade; e essa maturidade é forjada no nosso interior quando temos experiências firmes e fortes!

Em segundo lugar, Jesus disse: “A partir de agora, vocês vão assumir responsabilidades!”.

Quais eram essas responsabilidades? Propagar a mensagem do evangelho. Jesus sabia que eles seriam dispersos e que não o teriam mais como corpo presente para ajudá-los. Chegou o momento de eles colocaram a fé e todos os ensinamentos que receberam em prática!

Tiago nos ensina, no capítulo 1, que não podemos ser expectadores e meros ouvintes, mas que temos que ser praticantes da Palavra de Deus.

Infelizmente, o inimigo tem trabalhado nas pessoas para que elas não assumam compromissos. Quando não temos compromisso, deixamos de ter uma liga com as coisas de Deus. Muitas pessoas querem as bênçãos, mas não querem se comprometer. Mas Jesus estava alertando seus discípulos: “Vocês precisam se comprometer porque Eu vou para o Pai. Eu estarei convosco todos os dias, até a consumação dos séculos, mas vocês precisam assumir responsabilidades.”.

Então, meu querido, assuma responsabilidades pela tua casa, pelo teu trabalho, pelo teu ministério, porque Deus é contigo!

Em terceiro lugar, Jesus disse: “Continuem firmes porque, no mundo, vocês terão aflições.”.

Há dias difíceis. Muitas vezes, achamos que os céus estão fechados para nós. Passamos por vales, pelo dia da perseguição, pelo dia da incompreensão, pelo dia da escassez, pelo dia da enfermidade, mas saímos vitoriosos.

Se você está passando pelo deserto, lembre-se do que está escrito no Salmo 34: “Muitas são as aflições do justo, mas, de todas, o Senhor o livra.”.

Lembre-se do que está escrito em Jó 5: “Em seis angústias te livrará; e, na sétima, o mal não te tocará.”.

Lembre-se do que Jesus disse, em João 16: “No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo!”.

Hoje está sendo difícil para você? Está sendo um dia de aflições e incertezas? Então, guarde essa Palavra no seu coração!

Por trás destas batalhas, existe um propósito superior. Os discípulos não sabiam, mas Jesus não os estava deixando desamparados.

Sabe, eu passo por dias de lutas, mas eu sei que não estou sozinho... Eu passo pela luta, mas sei que não estou contando somente com minhas forças carnais... Eu passo por elas porque eu sei em quem tenho crido, e estou bem certo de que Ele é poderoso.

Creia nesta Palavra! Você está liberado para viver um novo tempo! Lembre-se de que Jesus venceu o mundo, e que nós venceremos também. Depois, do terceiro dia, Ele ressuscitou e está entre nós!

quinta-feira, 9 de abril de 2020

Três lições que a Parábola do Servo Vigilante nos ensina


Lucas 12.36 a 48: “Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram. Bem-aventurados aqueles servos a quem o senhor, quando vier, os encontre vigilantes; em verdade vos afirmo que ele há de cingir-se, dar-lhes lugar à mesa e, aproximando-se, os servirá. Quer ele venha na segunda vigília, quer na terceira, bem-aventurados serão eles, se assim os achar. 

Sabei, porém, isto: se o pai de família soubesse a que hora havia de vir o ladrão, [vigiaria e] não deixaria arrombar a sua casa. Ficai também vós apercebidos, porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá. Então, Pedro perguntou: Senhor, proferes esta parábola para nós ou também para todos? 

Disse o Senhor: Quem é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor confiará os seus conservos para dar-lhes o sustento a seu tempo? Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor, quando vier, achar fazendo assim. Verdadeiramente, vos digo que lhe confiará todos os seus bens. 

Mas, se aquele servo disser consigo mesmo: Meu senhor tarda em vir, e passar a espancar os criados e as criadas, a comer, a beber e a embriagar-se,  virá o senhor daquele servo, em dia em que não o espera e em hora que não sabe, e castigá-lo-á, lançando-lhe a sorte com os infiéis. Aquele servo, porém, que conheceu a vontade de seu senhor e não se aprontou, nem fez segundo a sua vontade será punido com muitos açoites. 

Aquele, porém, que não soube a vontade do seu senhor e fez coisas dignas de reprovação levará poucos açoites. Mas àquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e àquele a quem muito se confia, muito mais lhe pedirão.”

De maneira objetiva, por meio desta parábola, Jesus ensinou princípios espirituais profundos aos seus discípulos. Pedro chegou a questioná-lo, dizendo: “Esta mensagem é só para nós ou para todos?”. Realmente, é para todos os seguidores de Cristo.

Ele nos mostra: 

Em primeiro lugar, que todos nós precisamos estar espiritualmente atentos. 

Levar a nossa vida com Deus como se fosse uma rotina é um grande roubo. Muitas pessoas acham que somente assistir cultos aos domingos e não ter nenhuma preocupação espiritual é o suficiente. O nosso relacionamento com o Senhor precisa ser diário. Ele precisa fazer parte das nossas escolhas, das nossas decisões.  Ele merece o melhor de nós! 

Colossenses 3.23: “E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor e não para homens.” 

Existem muitas pessoas que são ministradas, mas não sentem nada! O que é isso? Apostasia! Elas querem trilhar o caminho do humanismo. Elas ignoram a eternidade, desprezam a volta de Cristo e negligenciam os compromissos espirituais de pregar o evangelho e ser um exemplo para os fiéis. 

1 Timóteo 4.1: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios...”

Ninguém sabe quando, mas Jesus voltará. O importante é estarmos preparados para isso. 

Em segundo lugar, que não devemos andar carnalmente. 

João 3.6: “O que é nascido da carne é carne; mas o que nasce do Espírito é espírito.”

Gálatas 6.8: “Pois quem semeia para a sua carne, da carne colherá ruína; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna.”

Gálatas 5.17: “Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer.”

Quando o servo é vigilante, ele se prepara para a chegada do seu senhor, e, por isso, é honrado. 

Em terceiro lugar, que Ele tem uma porção para nós.

Deus tem para você dons, um chamado e a salvação. Agora, o que você vai fazer com tudo isso? Vai desprezar o potencial do Espírito Santo? O que você está fazendo com a sua vida? 

Se Jesus voltar hoje, Ele encontrará suas mãos cheias do quê? 

Mateus 12.20: “Mas Deus lhe disse: Louco! Esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?”

A palavra que eu tenho para você é: Desperte! Desperte para a volta de Cristo! Desperte para ser aquele que o Senhor projetou. Escolha ser um servo vigilante!

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Eu realmente preciso passar por isso?


Filipenses 1.12 a 26: Quero ainda, irmãos, cientificar-vos de que as coisas que me acontecem têm, antes, contribuído para o progresso do evangelho; de maneira que as minhas cadeias, em Cristo, se tornaram conhecidas de toda a guarda pretoriana e de todos os demais; e a maioria dos irmãos, estimulados no Senhor por minhas algemas, ousam falar com mais desassombro a Palavra de Deus.

Alguns, efetivamente, proclamam a Cristo por inveja e porfia; outros, porém, o fazem de boa vontade; estes, por amor, sabendo que estou incumbido da defesa do evangelho; aqueles, contudo, pregam a Cristo, por discórdia, insinceramente, julgando suscitar tribulações às minhas cadeias.


Todavia, que importa? Uma vez que Cristo, de qualquer modo, está sendo pregado, que por pretexto, quer por verdade, também com isto me regozijo, sim, sempre me regozijarei. Por que estou certo de que isto mesmo, pela vossa súplica e pala provisão do Espírito de Jesus Cristo, me redundará em libertação, segundo a minha ardente expectativa e esperança de que em nada serei envergonhado; antes, com toda a ousadia, como sempre, também agora, será Cristo engrandecido no meu corpo, quer pela vida, quer pela morte.


Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e morrer é lucro. Entretanto, se o viver na carne traz fruto para o meu trabalho, já não sei o que hei de escolher. Ora, de um e outro lado, estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar, com Cristo, o que é incomparavelmente melhor. Mas, por vossa causa, é mais necessário permanecer na carne. E, convencido disto, estou certo de que ficarei e permanecerei com todos vós, para o vosso progresso e gozo na fé, a fim de que aumente, quanto a mim, o motivo de vos gloriardes em Cristo Jesus, pela minha presença, de novo, convosco.”


Paulo estava preso em Roma. Esta prisão trouxe uma grande comoção entre a sociedade que, na época, era composta também por cristãos. Muitas pessoas acusaram Paulo injustamente. Outras, simplesmente, ficaram paralisadas. Algumas, por outro lado, tiveram a fé abalada.

Mas Paulo, em meio a essa loucura, levantou questões maravilhosas. Vamos enumerá-las:

Em primeiro lugar: A situação pela qual estou passando é para o progresso e crescimento da vossa fé!

Muitas vezes, é difícil entender que as situações de abandono, de humilhação, de solidão, de perdas familiares e de enfermidades podem trazer aspectos positivos à nossa vida.

Mas, na verdade, por piores que sejam as lutas que você está vivendo, elas terão um fim proveitoso! Esta situação vai trazer progresso, não somente para você, mas para as pessoas que te cercam.

Nos momentos mais difíceis, nosso testemunho precisa falar mais alto que tudo. Na adversidade, nós mostramos que dependemos de Deus e que caminhamos pelo espírito.

Se você passar pelas adversidades com autoridade, consolo, forças e não desfalecer, a sua tribulação será leve, momentânea e trará peso de glória.

Satanás não vai se aproveitar do seu momento de dor. Você não vai entregar os pontos. Você não vai ficar prostrado e, muito menos, preso à depressão!

Em segundo lugar: Importa que, através do que está acontecendo comigo, o evangelho seja pregado. Tenha convicção de que a voz da suplica trará libertação!

Nós, quando passamos pela adversidade, temos algumas tendências: trancamos-nos, não queremos dividir nossas dificuldades com ninguém, queremos ficar sozinhos, porque tudo nos irrita, tudo nos perturba e não temos paz!

Nas situações que nos fazem perder a razão, a oração, o clamor e a súplica nos fazem encontrar uma saída.

Se você não consegue orar sozinho, há uma igreja que ora por você! Peça oração para seu irmão em Cristo ou para o seu pastor! A aliança nos fortalece!

Paulo disse: Eu sei que a oração e a suplica de vocês me devolverão a liberdade!

Em terceiro lugar: O meu sofrimento não trará vergonha e não acabará com a minha vida!


Paulo tinha convicção de que aquela situação não era o fim da linha! Ele sabia que o propósito de Deus era, infinitamente, maior.

Se hoje existem pessoas que torcem pelo seu fracasso, não se abale! No lugar da sua vergonha, você terá dupla honra.